quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011


   A família Brassicaceae é composta por várias espécies com destaque para o repolho (Brassica oleracea var. italica), a couve-flor (Brassica oleracea var. botrytis) , o brócolis (Brassica oleracea var. capitata) e a couve ( Brassica oleracea var. acephala). Estas hortaliças possuem alto valor nutricional, sendo boa fonte de vitaminas B, C e K e ricas em sais minerais (cálcio e fósforo), essenciais para a formação dos ossos e dentes. Pesquisas recentes reforçam a tese de que o consumo de brássicas pode ajudar na prevenção e tratamento de doenças degenerativas. Estudo com 48 mil homens mostrou que o câncer de bexiga era menor no grupo que consumia mais brócolis, couve-flor e repolho. Por serem consumidas in natura, especialmente na forma de saladas, ou cozidas ligeiramente, é fundamental o cultivo orgânico (sem agroquímicos) para garantir a saúde do agricultor, do consumidor e também para preservar o meio ambiente e as futuras gerações. Pesquisa da Agência Nacional de Vigilância Sanitária – Anvisa, com 20 espécies de plantas, incluindo frutas e hortaliças no Brasil, revelou que, das 3.130 amostras coletadas em 2009, 29 % apresentaram resultados insatisfatórios, ou seja, com resíduos de agrotóxicos, especialmente, os não autorizados para a cultura. Dentre as brássicas, a couve e o repolho foram as mais contaminadas por agrotóxicos, apresentando 44,2% e 20,5% das amostras coletadas com resíduos de agrotóxicos.
Recomendações técnicas
.Escolha correta da área e análise do solo: recomenda-se evitar áreas sujeitas à encharcamento, muito declivosas, e, já cultivadas com outras espécies da mesma família (repolho, couve-flor, couve e brócolis).
.Épocas de plantio e cultivares: as brássicas, embora tipicamente de inverno,foram adaptadas para cultivo também no verão. A época de plantio está diretamente relacionada com a escolha da cultivar e/ou híbrido. O plantio na época inadequada pode levar ao fracasso da lavoura pela produção precoce de cabeças pequenas ou até nem mesmo ocorrer a formação. Resultados de pesquisa obtidos na Estação Experimental de Urussanga (Epagri), evidenciaram os seguintes híbridos relacionados a seguir como os mais promissores.
Cultivo de março a junho no Litoral: Repolho – Fuyutoyo, AF-528, Emblem e Sagittarius; Couve-flor – Júlia F1, Sharon F1, AF-1182 e AF-1169 ;Brócolis - AF-817 e Majestic Crown.
Cultivo de julho a setembro no Litoral: Repolho Ombrios, Fuyutoyo, AF-528 e Emblem; Couve-flor – Barcelona Ag-324, Júlia F1, AF-919, Verona, AF-1182 e Sharon F1 ; Brócolis – AF-817, Legacy e AF-649.
.Produção de mudas: o transplante de mudas sadias e vigorosas produzidas em bandejas de isopor, com substratos de qualidade, em abrigos, garante o sucesso das culturas de repolho, couve flor, brócolis e couve.
.Preparo do solo: recomenda-se adotar o plantio direto ou o cultivo mínimo do solo. Para o cultivo de brássicas nos meses de julho a setembro, no Litoral, o mais indicado é a semeadura de adubos verdes no outono, isoladamente, ou em consórcio, incluindo aveia preta, ervilhaca e nabo forrageiro e, a abertura de covas ou sulcos para o plantio das mudas de brássicas. Pode-se também utilizar as plantas espontâneas como cobertura nas entrelinhas. Quando necessário, deve-se roçá-las para não competir por luz e nutrientes com as brássicas. As plantas de cobertura (adubos verdes ou plantas espontâneas) protegem o solo das chuvas torrenciais, da compactação, da erosão, mantêm o solo mais úmido, além de aumentar o teor de matéria orgânica e reciclar nutrientes devido ao sistema radicular mais profundo destas espécies.
.Adubação de plantio: as brássicas respondem bem à adubação orgânica que deve ser aplicada, com base na análise do solo, feita com antecedência, e nos teores de nutrientes do adubo orgânico a ser aplicado.
.Plantio e espaçamento: o plantio das mudas deve ser feito quando estas atingem 3 a 4 semanas de idade (10 a 15cm de altura ou 4 a 7 folhas definitivas), na profundidade que estavam na bandeja de isopor. O espaçamento recomendado varia de 0,8 a 1,0m entre fileiras por 0,4 a 0,6m entre plantas.
.Capinas, adubação de cobertura e manejo de plantas espontâneas: o período crítico de competição com as plantas espontâneas é de até 30 dias após o transplante. As capinas são feitas somente nas linhas de plantio, mantendo-se as plantas de cobertura ou ainda as plantas espontâneas nas entrelinhas.Quando necessário, deve-se roçar nas entrelinhas para evitar competição com as brássicas. A cobertura morta, utilizando-se palhas de arroz ou de milho, é outra alternativa para o manejo de plantas espontâneas, além de conservar a umidade no solo.As adubações de cobertura, se necessário, são feitas 15 a 20 dias após o transplante e 20 dias após a 1ª. A cobertura morta com palhas (arroz, milho, capim-elefante e outras),é outra alternativa para o manejo de plantas espontâneas.
.Irrigação: a irrigação é essencial para o sucesso da lavoura. Em geral, as brássicas necessitam de 500 mm de água em um ciclo médio de 120 dias. Recomenda-se o uso da irrigação por aspersão ou por gotejamento.
.Manejo de doenças e pragas: em sistema de produção equilibrado, não ocorre ataque de pragas e doenças. As principais doenças são: a podridão-negra (Xanthomonas campestris pv. Campestris) causada por bactéria e a alternariose (Alternaria brassicae e A. brassicicola) provocadas por fungos, ocorrem em condições de tempo quente e úmido. Para estas doenças, deve-se fazer o controle preventivo. Entre as medidas, destacam-se: 1) na produção de mudas utilizar sementes sadias, semeadas em bandejas de isopor com substrato isento de doenças; 2) utilizar cultivares e/ou híbridos resistentes; 3) rotação de culturas e 4) eliminar restos de culturas anteriores. No manejo das principais pragas, a traça (Plutella xylostella) e o curuquerê da couve (Ascia monuste orseis) recomenda-se, quando necessário, produtos à base de Bacillus thuringiensis, conhecido como dipel e o preparado de sálvia (planta medicinal e aromática). Modo de preparar a sálvia: derramar 1 L de água fervente sobre 2 colheres (sopa) de folhas secas de sálvia; tampar o recipiente e deixá-lo em repouso durante 10 minutos (infusão). Agitar bem, filtrar e pulverizar imediatamente sobre as plantas para repelir a borboleta branca que coloca os ovos nas folhas das plantas cultivadas, originando as lagartas que comem as folhas. Quando o ataque ocorre em apenas algumas plantas e, dependendo do tamanho da lavoura, a catação manual dos ovos e lagartas é uma prática eficiente. Para o manejo de pulgões, que surgem em condições de tempo seco e quente, recomenda-se os preparados à base de plantas (pimenta, alho, cebola, confrei , losna e coentro – ver matéria publicada em 1/7/2010). Modo de preparar a pimenta: bater 60 g de pimenta vermelha no liquidificador com 0,5 L de água e, em seguida acrescentar mais 0,5 L de água. Deixar amolecer (macerar) num recipiente por 12 horas. Dissolver um pedaço de sabão (50g) em 1 L de água quente e após misturar à calda como produto adesivo. Coar e diluir 1L do macerado para 5 L de água. Pulverizar as plantas atacadas. Para evitar o odor da pimenta, pulverizar, no mínimo, até 12 dias antes da colheita. A irrigação por aspersão e os inimigos naturais (joaninha), reduzem a incidência de pulgões.
Colheita: recomenda-se deixar quatro a seis folhas para proteção durante o transporte e manipulação dos produtos. Repolho: a cabeça deve estar bem compacta, fechada, com as folhas internas bem unidas umas às outras e as folhas superiores iniciando a enrolar-se para trás. Se for colhido antes, o repolho murcha rapidamente. Couve-flor: as cabeças são colhidas quando atingem o seu máximo desenvolvimento, mas antes de iniciarem a formação de "pêlos" e a emissão dos botões florais. Brócolis: a colheita deve ser feita quando as hastes, botões e cabeças apresentam cor verde-intenso. Os botões florais devem estar bem fechados, sem aparecer as pétalas amarelas das flores.
 Figura 1. Sálvia (planta medicinal e aromática) e pimenta (hortaliça-tempero), utilizadas em preparados que podem serem feitos na propriedade, são eficientes no manejo de lagartas e pulgões, respectivamente, que atacam a couve, repolho, couve-flor e brócolis, praticamente sem nenhum custo e, o que é melhor, não oferecem riscos ao produtor, consumidor e meio ambiente e, ainda protegem as futuras gerações.
Ferreira On 2/09/2011 03:41:00 AM Comentarios

0 comentários:

Postar um comentário

  • RSS
  • Delicious
  • Digg
  • Facebook
  • Twitter
  • Linkedin
  • Youtube

Blogger templates