quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Fonte: Livro da Embrapa Hortaliças – Brasília, DF. Interessados em adquirir o livro “PRODUÇÃO ORGÂNICA DE HORTALIÇAS – Coleção 500 Perguntas – 500 Respostas” devem entrar em contato através do email: vendas@sct.embrapa.br;              Para ver o livro completo, acessar: http://mais500p500r.sct.embrapa.br/view/pdfs/90000021-ebook-pdf.pdf

     Com o objetivo de divulgar e aumentar o conhecimento sobre agricultura orgânica,  estamos transcrevendo  do livro, algumas perguntas e respostas que consideramos mais relevantes.



Capítulo 15 – Pós-Colheita

Autores:  Neide Botrel Gonçalves, Roberto Guimarães Carneiro e Edson Ferreira do 
                 Nascimento


O que é tecnologia pós-colheita de hortaliças?
 São todos os cuidados dispensados na conservação de um produto hortícola, desde a colheita até chegar à mesa do consumidor.

Que cuidados devem ser adotados no momento da colheita?
Os cuidados na colheita são os seguintes:
- Fazer a colheita nas horas mais frescas do dia, ao amanhecer ou entardecer. 
- Não deixar as partes descartadas e não aproveitadas na horta, pois podem servir de fonte de infecção. 
- Não deixar os produtos colhidos expostos ao sol.
- Armazenar os produtos colhidos em um local sombreado e fresco. 
- Utilizar caixas e cestos limpos para acondicionar e transportar as hortaliças colhidas. 
No caso de hortas domésticas, colher somente a quantidade de hortaliças que será consumida nos próximos três dias.

Que cuidados devem ser adotados após a colheita do produto?
 Após a colheita do produto, deve-se:
 Diminuir o intervalo entre a colheita e o consumo, porque quanto mais tempo ficar armazenado, maior a chance de perda do produto.
Manter a higiene, colhendo e armazenando as hortaliças em ambientes e embalagens limpos. 
Limpar e selecionar as hortaliças em local adequado. 
• Algumas hortaliças, como batata, batata-doce, cará, inhame, cebola e alho, necessitam passar pelo processo de “cura”, armazenamento à sombra de até 3 dias que proporciona a cicatrização de ferimentos e a secagem das escamas externas dos bulbos.

Quais os principais fatores que interferem na conservação das hortaliças após a colheita?
 Na conservação das hortaliças, após a colheita, interferem:
  •  As condições de colheita.
 •  O ponto de colheita.
 •  O intervalo de tempo entre a colheita e o consumo.
 •  O manuseio.
 •  O acondicionamento.
 •  As condições de armazenamento.
 •  O processamento, quando for o caso.

Como o ponto de colheita pode interferir na conservação do produto?
O ponto de colheita é decisivo para a conservação e qualidade de hortaliças e frutas. Quando colhido precocemente, antes de o produto ter completado seu pleno desenvolvimento, a qualidade ficará comprometida e serão obtidos menores rendimentos. Por sua vez, quando ultrapassado o ponto ideal de colheita, há também depreciação da qualidade, pois pode haver o desenvolvimento de sabores desagradáveis, como na alface (sabor amargo) e na rúcula (sabor muito picante), e de excesso de fibras, como na cenoura e no quiabo.

Por que somente alguns tipos de frutos, como o tomate, amadurecem depois de colhidos?
 Isso se deve ao padrão respiratório. Esses frutos são chamados de frutos climatéricos e apresentam taxa respiratória mais baixa e constante, com um pico de alta próximo ao amadurecimento. Nesse caso, os frutos podem ser colhidos com pleno desenvolvimento, mesmo não estando prontos para o consumo, e amadurecerem em separado da planta-mãe, como é o caso do tomate e da banana. Existem aqueles que não amadurecem após colhidos, embora um leve amolecimento e perda de coloração verde possam ocorrer. Esse tipo de fruto apresenta um contínuo decréscimo em sua taxa respiratória durante o crescimento e após a colheita. Por essa razão, deve ser colhido maduro, como é o caso da pimenta e da uva.

Quais as partes das hortaliças que podem ser consumidas?
A maioria das hortaliças tem uma parte de grande valor comercial, como é o caso da alface (folhas), tomate (frutos) e couve-flor (flores). Em uma horta, algumas plantas podem ser aproveitadas integralmente, como cenoura e beterraba, cujas partes comerciais são as raízes, mas pode-se também utilizar as folhas na forma de saladas ou empanadas
Na Tabela 3, as hortaliças estão agrupadas de acordo com sua parte comercial.

Tabela 3. Hortaliças e parte comercial.
Parte Comercial
Hortaliças
                           Haste ou broto
                                                                                                    Aspargo, funcho, aipo,couve e rábano
                                    Folha
Acelga, agrião, alface, almeirão, cebolinha, coentro, couve, espinafre, repolho, rúcula e salsa
                                        Flor
                                                                                                     Couve-flor e brócolos
                                   Fruto
Abóbora, abobrinha, berinjela, chuchu, pimenta, pimentão, pepino, quiabo, tomate, melancia e melão
                                     Raiz
                                                                                                 Mandioca, batata-doce, beterraba, cenoura, nabo e rabanete
                                Tubérculo
                                                                                                     Batata
                               Bulbo
                                                                                                       Alho e cebola
                              Semente
                                                                                      Ervilha e vagem


Quais os tipos de hortaliças mais difíceis de conservar após a colheita?
As hortaliças folhosas normalmente desidratam com mais facilidade, levando à rápida perda de qualidade. Quando perdem 3% a 4% de água, apresentam sintomas de murcha, o que impede sua comercialização e consumo.

Por que as hortaliças devem ser armazenadas rapidamente após a colheita?
 Depois de colhidas, as hortaliças continuam vivas, por isso mantêm vários processos, como a perda de água, a respiração e a transpiração. Todos esses processos afetam a qualidade e o frescor dos produtos hortícolas, além da aparência e valor nutritivo. A perda de água é maior nas primeiras horas após a colheita, porque o produto ainda está com o calor de campo, ou seja, a mesma temperatura da horta. Por essa razão, é importante que o produto seja colocado em local fresco para começar a esfriar.

 Como as hortaliças se mantêm vivas após a colheita?
 Como a planta-mãe não pode mais suprir suas necessidades, os vegetais têm vida independente e utilizam, para respirar e transpirar, suas próprias reservas acumuladas durante o desenvolvimento. Alguns órgãos vegetais também utilizam a energia liberada pela respiração para continuar o seu amadurecimento, como é o caso do tomate colhido em estádio meio maduro.

Por que os produtos hortícolas estragam mais rapidamente em temperatura ambiente?
Em geral, quanto mais elevada a temperatura, menor o tempo de armazenamento de produtos hortícolas, porque os fatores que levam às perdas qualitativas e quantitativas, em sua maioria, são acelerados com o aumento da temperatura. Existem algumas exceções, como batata, inhame e cebola, que podem ser armazenados sem refrigeração.

Como conservar as hortaliças na geladeira?
O ideal é guardar frutas e hortaliças na gaveta indicada especialmente para seu armazenamento. Nesse compartimento, a ventilação é menor, o que evita a dessecação e a desidratação dos produtos, e a temperatura é mais estável e não sofre muitas variações quando a porta da geladeira é aberta.

Que hortaliças são mais sensíveis ao frio?
 De maneira geral, as hortaliças e frutas que se originam de regiões tropicais e subtropicais são mais sensíveis a temperaturas de armazenamento mais baixas. Em alguns casos, podem variar de acordo com a espécie, com o tipo (cultivar ou variedade) e, até mesmo, com o sistema de cultivo. Berinjela, chuchu, pimentão, abobrinha e jiló são exemplos de hortaliças sensíveis ao frio.

Como guardar sob refrigeração as hortaliças sensíveis ao frio?
 Para as hortaliças sensíveis ao frio, o ideal é mantê-las na gaveta, na parte mais baixa da geladeira, embaladas em sacos plásticos fechados, em temperaturas em torno de 8o C, por períodos curtos de tempo, inferiores à 4–5 dias.

Que hortaliças são menos sensíveis ao frio?
Em geral, as hortaliças que se desenvolvem melhor em climas mais amenos são menos sensíveis ao frio. Raízes e tubérculos suportam melhor as baixas temperaturas, podendo ser armazenados a 1o C e 5o C.
Na Tabela 4, alguns exemplos de frutas e hortaliças classificados de acordo com a sensibilidade ao frio.

  Tabela 4. Hortaliças e frutas conforme a sensibilidade ao frio.
Sensibilidade ao frio
Hortaliças
Frutas

Sensível
Pepino, berinjela, quiabo, batata, tomate, batata doce, pimenta e pimentão
Abacate, abacaxi, banana, citros, goiaba, manga, mamão e maracujá

Pouco Sensível
Cenoura, couve-flor, brócolos, espinafre, ervilha, alface, milho-verde, salsão, repolho, beterraba e mandioquinha-salsa
Pêssego, ameixa, uva, figo, Cereja, caqui e morango


Quais hortaliças não precisam ser guardadas em condições de refrigeração?
Várias hortaliças podem ser guardadas em locais frescos, escuros ou sombreados, e ventilados sem necessidade de refrigeração, desde que estejam inteiras e sem danos aparentes. Incluem-se nesse grupo abóboras e morangas, batata, inhame, cará, batata-doce, cebola e alho.
Devem ser evitados lugares com muita luz, para não causar esverdeamento dos tubérculos de batata nem estimular a brotação dos bulbos de cebola.

Por que a redução da temperatura de armazenamento geralmente aumenta o tempo de vida útil das hortaliças?
 Porque a baixa temperatura reduz a respiração do produto e desacelera outros processos fisiológicos importantes, mantendo os níveis mínimos que garantem a integridade e manutenção da condição viva da hortaliça.

Por que as hortaliças se conservam por mais tempo quando embaladas?
 Por causa da modificação da concentração de gases (gás carbônico e oxigênio) no interior da embalagem e também da redução da perda de água pelo produto. Ao ser embalado, a taxa respiratória do produto diminui, mantendo vivas as células vegetais por mais tempo, além disso, há aumento da umidade relativa no interior da embalagem. Para potencializar o efeito da embalagem, deve-se sempre manter os produtos hortícolas em geladeira ou em armazenamento refrigerado.

Qual a vantagem, para o produtor, de colocar rótulo no produto?
No caso de se comercializar ou vender as hortaliças produzidas em hortas, a rotulagem apresenta várias vantagens, entre elas:
 É considerada “cartão de visita” do produtor, representando um trabalho de qualidade e mantendo boa apresentação.
Colabora para o estabelecimento de um elo de fidelidade entre produtor e consumidor, pois este identifica no rótulo a marca e o fornecedor com quem pode interagir, inclusive no caso de eventuais problemas.

Como a perda de água pode comprometer a qualidade de um produto hortícola?
A transpiração excessiva pode comprometer a qualidade dos produtos hortícolas, quer na aparência, tornando-os enrugados e com colorações opacas, quer na textura, tornando-os flácidos, moles e murchos.

Que fatores afetam a transpiração de um produto hortícola?
A transpiração é um processo complexo, afetado por um grande número de fatores, que podem ser resumidos em três grandes grupos: 
- Aspectos inerentes à própria fruta ou hortaliça, como sua forma, tamanho e outras características.
- Manuseio do produto, relacionados ao modo de colheita, práticas de pós-colheita, transporte e embalagem. 
- Condição ambiental, principalmente temperatura, umidade relativa e composição de gases.

Que fatores relacionados aos produtos hortícolas interferem no aumento da transpiração?
 Os seguintes fatores interferem no aumento da transpiração: 
Tamanho: quanto maior for a superfície exposta do produto, maior será a taxa de transpiração. 
Superfície/Volume: quanto maior for essa relação, maior será a perda de peso. 
Estômatos e lenticelas: aberturas naturais por onde se dão as trocas gasosas, inclusive a saída de vapor d’água.
Região de inserção do pedúnculo no fruto: quando retirado  o pedúnculo, a região exposta perde água.
Presença de cera natural: reduz a transpiração do  produto.
Presença de pilosidade: reduz a transpiração do produto.

De que forma o manuseio pode interferir na taxa de transpiração de um produto?
 O manuseio inadequado pode interferir decisivamente no aumento da transpiração do produto. Por isso, quedas, batidas, excesso de peso ou técnica inadequada ao embalar os produtos nas caixas devem ser evitados, porque causam rachaduras, abrasões e arranhões, que removem ou enfraquecem as camadas protetoras exteriores das frutas e das hortaliças, depreciando-as pelo aumento da transpiração.

Como o local de armazenamento pode interferir no aumento da transpiração do produto?
Alguns fatores ambientais, em especial a temperatura e a umidade relativa, podem alterar a transpiração dos frutos e hortaliças. Quanto menor a temperatura e maior a umidade relativa, menor será a transpiração do produto. Porém, a temperatura adequada de armazenamento varia de acordo com o tipo de produto.

A presença de resíduos de agrotóxicos nos produtos hortícolas significa riscos ao consumidor?
A presença de resíduos não é desejada e oferece riscos, que obviamente aumentarão conforme a concentração dos resíduos nos alimentos. A legislação admite resíduos de agrotóxicos, dependendo fundamentalmente dos níveis detectados. Esses devem estar abaixo do Limite Máximo Permitido (LMR), que varia de acordo com o produto e o agrotóxico identificado. O mais recomendado é consumir alimento seguro. 

O que é alimento seguro?
 Alimento seguro é aquele que não oferece riscos à saúde do consumidor, nem de natureza biológica (bactérias, vírus e fungos), nem química (agrotóxicos e micotoxinas), nem física (pedaços de plástico, vidros, etc.).

Os resíduos de agrotóxicos nas hortaliças podem ser eliminados com boa higienização?
 Os resíduos de agrotóxicos que estiverem na superfície do produto podem ser eliminados até mesmo com a lavagem em água corrente. Entretanto, como a maioria dos agrotóxicos circula nas partes internas das plantas, não pode ser eliminada totalmente mesmo quando se descasca a fruta ou hortaliça.

Que medidas devem ser adotadas para diminuir os riscos de intoxicação durante o consumo alimentar de produtos hortícolas?
As medidas para evitar a intoxicação são as seguintes:  
- Produzir seu próprio alimento em hortas e pomares domésticos.
- Lavar bem as hortaliças e frutas em água corrente e colocá-las em uma mistura de 1 L de água com 4 colheres de água sanitária (hipoclorito de sódio) por 10 a 15 minutos.  Depois desse tratamento, lavar novamente com água tratada.
- Descascar as frutas, pois alguns resíduos ficam depositados na casca.
-  Dar preferência à compra de hortaliças e frutas da época. 

Que medidas podem ser adotadas para minimizar contaminações nos produtos frescos durante o cultivo?

 A Tabela 5 apresenta medidas preventivas, que ajudam a minimizar a contaminação de hortaliças durante o cultivo.

Tabela 5. Formas de prevenir a contaminação de hortaliças durante o cultivo.
Riscos de contaminação
Prevenção
Presença de animais domésticos e roedores
Manter animais domésticos afastados das áreas de produção e  controlar os ratos 
Solo com fezes e resíduos químicos
Cuidar na manipulação do lixo,  tratar o esgoto e  manter histórico de uso do solo 
Contaminação cruzada na colheita e pós-colheita
Adotar práticas de higiene para o trabalhador e as instalações sanitárias,  utilizar equipamentos de proteção individual (EPI) e  higienizar corretamente utensílios,  equipamentos e área de trabalho
Esterco mal curtido, com bactérias, vírus e fungos
Fazer compostagem 
Presença de metais pesados
Evitar fertilizantes minerais ou orgânicos que ofereçam riscos de contaminação com metais pesados
Água contaminada para irrigação e beneficiamento
Captar água de boa qualidade e  coletar amostras de água para análises periódicas
Fonte: adaptado de Embrapa Semi-Árido (2001).

Que medidas podem ser adotadas para armazenar as hortaliças em casa?
Para armazenar as hortaliças em casa, deve-se:  
- Colher somente a quantidade que será consumida.
-  Limpar e lavar as hortaliças antes de levá-las à cozinha
-  Acondicionar as hortaliças em sacolas de plástico com  pequenos furos, e conservá-las na gaveta da geladeira.  
- Sempre que possível, aproveitar o excedente nas formas processadas, como conserva, congelamento ou desidratação.

Ferreira On 8/10/2017 05:14:00 PM Comentarios LEIA MAIS

segunda-feira, 10 de julho de 2017

Fonte: Livro da Embrapa Hortaliças – Brasília, DF. Interessados em adquirir o livro “PRODUÇÃO ORGÂNICA DE HORTALIÇAS – Coleção 500 Perguntas – 500 Respostas” devem entrar em contato através do email: vendas@sct.embrapa.br;              Para ver o livro completo, acessar: http://mais500p500r.sct.embrapa.br/view/pdfs/90000021-ebook-pdf.pdf

     Com o objetivo de divulgar e aumentar o conhecimento sobre agricultura orgânica,  estamos transcrevendo  do livro, algumas perguntas e respostas que consideramos mais relevantes.


Capítulo 11 – Plantas espontâneas e Solarização

Autores:  Welington Pereira e  Mírian Josefina Baptista

O que são plantas invasoras ou ervas daninhas?
Esses termos são muito empregados na literatura, agrícola e botânica, brasileira, gerando confusões e controvérsias a respeito de seu significado. Em conceituação ampla, planta daninha é “toda e qualquer planta que ocorre onde não é desejada”. Essa definição ampla inclui as soqueiras ou plantas voluntárias de certas culturas, como batata e batata-doce, que crescem em outras culturas implantadas em sucessão. Em termos agrícolas, planta daninha pode ser conceituada como “toda e qualquer planta que germine espontaneamente em áreas de interesse humano e que, de alguma forma, interfere prejudicialmente em suas atividades agropecuárias”.

O que são plantas espontâneas?
Plantas ou ervas espontâneas e plantas invasoras são espécies de plantas que germinam na área de cultivo, podendo ser espécies nativas ou exóticas já estabelecidas. Espécies nativas são as que surgem naturalmente na região, originárias da própria área, ao passo que espécies exóticas são introduzidas na região, isto é, não são nativas ou originárias da área. Embora a Instrução Normativa no 7, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), de 17/5/99, adote , entre outras normas disciplinares para a produção vegetal orgânica, o termo “plantas invasoras”, é muito comum o uso do termo “plantas espontâneas” nos sistemas de produção orgânica.

Qual o papel das plantas espontâneas nos sistemas orgânicos?
Uma das diferenças fundamentais do sistema orgânico em relação ao convencional é a promoção da agrobiodiversidade e da manutenção dos ciclos biológicos na unidade produtiva, procurando a sustentabilidade econômica, social e ambiental da unidade, no tempo e no espaço. Nesse contexto, a flora presente assume grande importância quando as espécies da comunidade atuam como protetoras do solo, como hospedeiras alternativas de inimigos naturais, pragas, patógenos ou como mobilizadoras ou cicladoras de nutrientes, competindo por água, etc.

Por que o termo plantas daninhas não é utilizado na agricultura orgânica?
O uso do termo “plantas daninhas” não é apropriado para a agricultura orgânica, pois leva em conta apenas seus efeitos negativos sobre a produção agrícola, ignorando os efeitos positivos. É muito importante considerar a maneira pela qual as plantas interagem com seus vizinhos no agroecossistema, uma vez que há vários tipos, maneiras e graus de interação entre elas. A protocooperação, por exemplo, é o tipo positivo de interação ou associação, em que os dois parceiros são estimulados quando estão próximos o bastante para participar da interação. A associação de insetos benéficos com as plantas invasoras e as culturas representa provavelmente o exemplo mais conhecido de protocooperação na agricultura. Por sua vez, tanto as plantas cultivadas como as silvestres são hospedeiras de grande número de pragas e patógenos, servindo inclusive de abrigo e fonte de alimento para insetos benéficos. É importante observar que o conceito de planta daninha é relativo, pois muitas delas podem trazer vantagens ao homem pelo enriquecimento da fauna benéfica, apesar de danificarem a produtividade biológica em determinadas fases dos cultivos.

Quais as principais vantagens de deixar plantas espontâneas crescerem ao redor de hortaliças cultivadas?
O crescimento das plantas espontâneas ao redor de hortaliças ou o estabelecimento de áreas ou faixas de vegetação espontânea fora da área cultivada comercialmente tem a vantagem de preservar ao máximo os aspectos naturais estabelecidos pelo ecossistema local. Na divisão dos talhões de cultivo, devem ser deixadas faixas de vegetação espontânea de 2 m a 4 m de largura, chamadas de corredores de refúgio, para abrigar a fauna local benéfica. Além disso, deve-se fazer o manejo da vegetação espontânea com capinas em faixas nas culturas com espaçamento nas entrelinhas e manter a vegetação entre os canteiros. Essas técnicas têm a vantagem de assegurar maior estabilidade do sistema produtivo, reduzindo normalmente os problemas com pragas e doenças. Sistemas diversificados podem diminuir a incidência de pragas e aumentar a atividade de inimigos naturais. Entre outras vantagens, a vegetação espontânea pode colaborar para a ciclagem de nutrientes de fácil mobilidade e, por cobrirem o solo, podem protegê-lo contra a erosão.

Quais as plantas espontâneas indicadoras de solo pobre ou quimicamente desequilibrado?

Algumas das principais plantas indicadoras de solo pobre ou desequilibrado estão listadas na Tabela 4.

 Tabela 4. Plantas indicadoras de solo pobre ou desequilibrado.

      Planta espontânea    
            Características indicadoras
Amendoim-bravo ou leiteiro  (Euphorbia heterophylla)
Desequilíbrio entre nitrogênio (N) e micronutirentes, sobretudo molibdênio (Mo) e cobre (Cu)
Azedinha (Oxalis oxyptera)
Solo argiloso, pH baixo, falta de cálcio (Ca), falta de molibdênio
Barba-de-bode (Aristilla pallens)
Terra de queimadas, pobreza em fósforo (P), cálcio, potássio (K), solos com pouca água
Cabelo-de-porco (Carex spp.)
Pouco cálcio (Ca)
Capim-amargoso ou capim-açu (Digitaria insularis)
Solos de baixa fertilidade
Capim-caninha ou capim-colorado (Andropogon incanis)
Solos temporariamente encharcados, periodicamente queimados e com deficiência de fósforo (P)
Capim-arroz (Echinochloa crusgalli var. crusgalli)
Solo rico em elementos tóxicos, como o alumínio na forma reduzida
Capim-marmelada ou papuã (Brachiaria plantaginea)
Típico de solos constantemente arados, gradeados, com deficiência de zinco (Zn)
Capim-rabo-de-burro (Andropogon sp.)
Indica solos ácidos com baixo teor de cálcio, camada impermeável entre 60 cm e 120 cm de profundidade
Capim-amoroso ou carrapicho (Cenchrus ciliatus)
Terra de lavoura empobrecida e muito compacta, pobre em cálcio (Ca)
Caraguatá (Eryggium ciliatum)
É freqüente em solos onde se praticam queimadas, com húmus ácido
Carrapicho-de-carneiro (Acanthosperum hispidum)
Deficiência em cálcio (Ca)
Cavalinha (Equisetum SP.)
Solo com acidez de média a elevada
Guanxuma (Sida spp.)
Quando tem um baixo crescimento, indica que o solo é pouco fértil
Mio-mio (Bacharis coridifolia)
Deficiência de molibdênio (Mo)
Nabo (Raphanus raphanistrum)
Deficiência de boro (B) e manganês (Mn)
Picão-branco (Galinsoga parviflora)
Solo com excesso de nitrogênio (N) e deficiente em micronutrientes. É beneficiado pela deficiência de cobre (Cu)
Samambaia (Pteridium auilinum)
Solo com altos teores de alumínio (Al) tóxico
Sapé (Imperata exaltata)
Solos ácidos. Ocorre também em solos deficientes em magnésio (Mg)
Tiririca (Cyperus rotondus)
Solo ácido, com carência de magnésio (Mg)
Urtiga (Urtica urens)
Carência em cobre (Cu)



Quais as plantas espontâneas indicadoras de solo fértil?
Entre as plantas indicadoras de solo fértil, pode-se citar a beldroega (Portulaca oleracea), a chirca (Ruppatorium sp.), o dentede-leão (Taraxum oficialis) e a guanxuma (Sida spp.). 

A incidência de plantas espontâneas pode variar de acordo com o tipo de hortaliça cultivada?
 Sim. A incidência de plantas espontâneas em áreas de cultivo de hortaliças depende de vários fatores, que variam de acordo com o tipo de hortaliça, uma vez que são cultivadas em diferentes espaçamentos, arranjos e densidades populacionais. Além disso, as hortaliças têm diferentes taxas de crescimento e arquitetura, que resultam em diferenças nos índices de área foliar, cobertura do solo e graus de interceptação da luz solar, fator essencial para o estímulo, germinação de sementes e ocorrência de plantas espontâneas. As hortaliças que conseguem cobrir mais rapidamente o solo geralmente reduzem a incidência de plantas espontâneas na área cultivada.

 O que é alelopatia?
O termo alelopatia, segundo o interesse específico da área de manejo de plantas invasoras, refere-se aos efeitos biológicos negativos das plantas de uma espécie vegetal sobre o desenvolvimento e o crescimento de plantas de outra espécie, resultantes da liberação de substâncias químicas orgânicas no ambiente comum. Assim, algumas plantas (cultivadas ou não) complementam sua agressividade pela liberação de substâncias tóxicas ou substâncias inibidoras de crescimento chamadas de aleloquímicos, por meio de exsudações pelas raízes e lixiviação da matéria orgânica produzida. Em geral, essas substâncias modificam o crescimento das espécies que as absorvem, reduzindo ou eliminando sua habilidade de competição. A comprovação dos efeitos diretos dos aleloquímicos nas condições de campo é difícil, sendo preciso separar a alelopatia de outras formas de interferência negativa, especialmente a competição. Vários trabalhos na literatura demonstram que as hortaliças são bastante suscetíveis aos aleloquímicos. As leguminosas mucuna-preta e feijão-de-porco mostraram-se eficientes no processo de competição, alelopatia e na redução do banco de sementes do solo.

Qual a alternativa para reduzir a presença de plantas espontâneas no início do cultivo de hortaliças?
A presença de plantas espontâneas no início do cultivo de hortaliças pode ser reduzida com técnicas de manejo em pré- semeadura ou no transplante das mudas. Pode-se, também, planejar o uso de glebas associado a um programa de solarização dos talhões no período de altas temperaturas antes do plantio. O preparo do solo e a pré-irrigação estimulam a germinação e o desenvolvimento das plantas invasoras. Recomenda-se fazer o preparo do solo de 3 a 4 semanas antes do plantio para permitir a germinação, o crescimento inicial e o controle pós-emergente das plantas emersas e em processo de germinação, com capina manual, gradagem ou encanteiramento, de forma superficial para evitar revolver muito o solo novamente e provocar novos estímulos de germinação de outras sementes. O controle de plântulas espontâneas também pode ser feito com fogo produzido por bicos aplicadores a gás, no início ou por ocasião do primeiro cultivo da hortaliça.

Como pode ser feito o controle da vegetação espontânea no cultivo orgânico?
Em conformidade com a Instrução Normativa nº 007, o manejo das plantas invasoras deve ser feito pelo emprego de uma ou mais das seguintes técnicas:
• Cobertura vegetal do solo, viva ou morta.
• Meios mecânicos de controle.
• Rotação de culturas.
• Alelopatia.
• Controle biológico.
• Cobertura inerte, que não cause contaminação e poluição, a critério da certificadora. • Solarização.
• Sementes e mudas isentas de plantas invasoras.

O que é capina seletiva?
Capina seletiva consiste em arrancar as plantas espontâneas que estão amadurecendo, que já cumpriram com seu papel ecofisiológico, mantendo apenas as plantas jovens. A capina seletiva deve eliminar somente as espécies mais agressivas e/ou que estejam interferindo biologicamente na cultura. A matéria orgânica capinada é deixada sobre o solo. A análise do período em que as espécies de plantas invasoras competem com as hortaliças por fatores de crescimento é importante, e a época e a duração do período em que a cultura e as plantas espontâneas coexistem exercem influência na intensidade da interferência biológica.

É verdade que o esterco de gado é uma das maiores fontes de sementes de plantas espontâneas?
 Sim. O uso de suplementos orgânicos pode constituir-se em fonte de plantas invasoras ou espontâneas, sobretudo se o esterco de gado não tiver sido suficientemente tratado antes da sua aplicação no solo. Por exemplo, cerca de 20 % das sementes de ançarinha-branca (Chenopodium album) permaneceram viáveis no estrume curtido de gado (1 kg de esterco continha 42 sementes viáveis). O uso de compostagem pode aliviar esse problema, pois as temperaturas normalmente alcançadas durante esse processo são suficientemente altas para matar a maioria das sementes. Observou-se a perda total da viabilidade das sementes de várias espécies após a compostagem do esterco de gado por 4 semanas, alcançando temperaturas de 55oC a 65oC. Para uma redução significativa da viabilidade das sementes, a temperatura requerida deve ficar acima  de 46 o C, sendo o tempo de compostagem menos importante do que a temperatura requerida.

O que é banco de sementes?
O banco de sementes do solo (BSS) é uma reserva de sementes e de propágulos vegetativos presentes na superfície e no interior do solo, composta de sementes novas produzidas anualmente e de sementes “velhas” que persistem vivas no solo por vários anos ou mesmo décadas. O banco de sementes do solo representa um “arquivo de informações” sobre as condições ambientais e as práticas culturais usadas, sendo inclusive um fator importante de avaliação do potencial de infestação das plantas invasoras, no presente e no futuro. Seu estudo permite estabelecer as relações quantitativas entre as populações de plantas presentes, sendo muito importante para os programas de manejo integrado. Práticas inadequadas de manejo tendem a aumentar o banco de sementes das plantas invasoras no solo, agravando ainda mais o problema em cultivos sucessivos.

Como ocorre a disseminação de sementes de plantas espontâneas?
Estima-se que apenas 1 % a 9 % das sementes viáveis produzidas em determinado ano germinam naquele mesmo período, ficando o resto com germinação escalonada para os anos subseqüentes, dependendo do nível de dormência, da distribuição no perfil do solo e dos estímulos recebidos para germinar. O tamanho e a composição botânica do BSS variam de acordo com os sistemas de cultivo. As sementes de espécies cultivadas geralmente não são muito competitivas porque têm baixa longevidade e rápida germinação.

Qual a importância do banco de sementes nos sistemas agroecológicos?

A grande diversidade de espécies de plantas espontâneas que infestam as áreas de cultivo de hortaliças está normalmente associada a ambientes com distúrbios constantes. Isso ocorre principalmente em virtude de suas características biológicas e reprodutivas que promovem elevada produção de sementes, eficiente dispersão de algumas espécies, dormência e longevidade das sementes e sobrevivência das plantas. Essas características, aliadas às peculiaridades do manejo, normalmente, contribuem para a geração de grandes bancos de sementes no solo, o que garante o potencial regenerativo de várias espécies. Assim, o BSS constitui– se na principal fonte das plantas espontâneas que ocorrem nos sistemas agroecológicos. Que práticas culturais utilizadas em sistemas orgânicos de produção contribuem para o manejo e/ou controle das plantas espontâneas? Vários autores relataram que a rotação de culturas e o uso de adubos verdes reduzem o tamanho do banco de sementes no solo. As seqüências de cultivos propiciam diferentes modelos de competição, alelopatia e distúrbios do solo, com variação da pressão de seleção para plantas invasoras específicas. Isso se deve ao fato de que cada cultura apresenta uma gama de plantas “associadas” variando normalmente com a localização geográfica. O uso de adubos orgânicos e a água de irrigação podem constituir-se em fonte de introdução de sementes ou de propágulos vegetativos de plantas na área cultivada.

Por que a tiririca é tão agressiva?
 O crescimento da tiririca é intenso, e normalmente superior ao das culturas anuais, por ser uma planta perene fisiologicamente eficiente, resistindo a muitas das práticas de controle comumente usadas na olericultura. De cada clone (conjunto de bulbos basais, rizomas e tubérculos geneticamente idênticos e interconectados) emerge grande número de plantas, formando altas densidades populacionais. Os tubérculos e bulbos basais são o principal local de crescimento vegetativo prolífico porque contêm as gemas para folhas, rizomas, raízes e haste floral. Os tubérculos, por sua vez, são produzidos nos rizomas, constituindo a unidade primária de reprodução e dispersão. As sementes têm taxa de germinação em torno de 5 %, no caso da tiririca-roxa, sendo consideradas de pouca importância para o estabelecimento e dispersão, pois o vigor e a sobrevivência de suas plântulas são muito baixos. Como ocorre a disseminação

Como ocorre a disseminação da tiririca nos sistemas de produção agrícola ?
 A disseminação da tiririca, tanto a curta quanto a longa distância, é feita, em geral, pelo homem mediante os seguintes mecanismos:
• Utilização de equipamentos agrícolas, como máquinas, implementos e ferramentas, com tubérculos ou plantas inteiras aderidos juntamente com resíduos vegetais ou restos de solo, os quais são disseminados durante as rotinas de preparo do solo, plantio e trânsito em geral.
• Aplicação de matéria orgânica com tubérculos e plantas de tiririca.
• Uso de substrato em bandejas e mudas de hortaliças com torrões contaminados com tubérculos, sementes e plantas de tiririca.
• Colheita, transporte, comercialização e descartes de produtos agrícolas contaminados com propágulos de tiririca. Os tubérculos de tiririca são capazes de se desenvolver dentro de tubérculos de batata e de raízes tuberosas, podendo inclusive misturar-se a hortaliças folhosas, a tubérculos e raízes durante a colheita e transporte. • Transporte de tubérculos, sementes, bulbos basais ou plantas de tiririca pela enxurrada e água dos canais de irrigação.

Como manejar a tiririca nos sistemas orgânicos de produção?
 Como normalmente os métodos de controle não impedem a reprodução de todas as partes das plantas, deve-se manter as medidas de controle continuadamente, ano após ano. Assim, o conceito de controle, independente do método, deve ser amplo, de forma que possa ser utilizado durante o ano todo e em anos sucessivos. O conjunto e a integração de todas as práticas, métodos ou tecnologias utilizadas nos ciclos de cultivos anuais e plurianuais constituem-se no que se denomina de “manejo integrado”. O controle da tiririca só pode ser alcançado com a combinação de métodos de controle (cultural, mecânico e biológico) concentrando-se nas fases de inibição da brotação dos tubérculos e/ou na inibição ou paralisação da formação e desenvolvimento de novos tubérculos a fim de reduzir gradativamente o banco de tubérculos existente no solo. Como a tiririca é muito sensível ao sombreamento, deve-se cultivar hortaliças com espaçamento o mais estreito possível e usar cultivares de desenvolvimento rápido e que produzam grande massa foliar, como a batata-doce, para reduzir o crescimento e a agressividade da tiririca.

Como é feito o controle mecânico da tiririca?
O método de controle mecânico, por meio do preparo do solo, de capinas ou cultivos, controla temporariamente a tiririca. O principal objetivo do cultivo é trazer os tubérculos para a  superfície do solo, induzir a brotação e reduzir seu número pela dessecação provocada pelos raios solares, principalmente em regiões áridas ou em épocas de seca, ou pelo bloqueio da formação de novos tubérculos por cultivos sucessivos. O tempo necessário para matar os tubérculos varia de 7 a 14 dias em condições de seca e sol forte. Em geral, a primeira brotação dos tubérculos reduz suas reservas energéticas em até 60 %. Os cortes, capinas ou cultivos sucessivos induzem um crescimento menos vigoroso por causa do consumo de aproximadamente 10 % das reservas de carboidratos a cada corte realizado. Pelo menos 2 anos de controle mecânico quinzenal são requeridos para reduzir a população de tiririca a níveis satisfatórios de manejo. A manutenção da área livre de culturas facilita o trabalho. O uso da cobertura com material inerte (plasticultura) e da solarização destacam-se entre as medidas mais eficientes para o manejo da tiririca nos sistemas agroecológicos.

Já existe controle biológico da tiririca?
 Muitos trabalhos foram realizados com o objetivo de regular a população de tiririca a níveis aceitáveis com o controle biológico clássico envolvendo o uso de insetos inimigos naturais. Entretanto, nenhum dos agentes testados produziu resultados satisfatórios em virtude da baixa especificidade na relação inseto-tiririca, baixo estabelecimento do agente e incapacidade para controlar o crescimento ou rebrote da tiririca. O melhor exemplo de controle biológico da espécie C. esculentus foi desenvolvido na década de 1990, nos Estados Unidos, com o fungo da ferrugem (Puccinia canaliculata (Schw) Lagerh.). O bio-herbicida é composto por um parasita obrigatório (o fungo da ferrugem) e assim só pode ser produzido em plantas vivas, não tendo a indústria grande interesse comercial em sua produção. O fungo da ferrugem é mantido em plantas de tiririca durante o inverno, em condições de casa de vegetação, levando-se as plantas infectadas ao campo quando a população de tiririca estiver  aparecendo na cultura. Dessa forma, a doença alcança os níveis epidêmicos no início da estação de cultivo, causando a desidratação das raízes, reduzindo o florescimento e a formação de tubérculos, provocando a morte de plantas e reduzindo a competitividade da tiririca com as hortaliças.

O que é solarização?
 A solarização é um processo físico de desinfestação do solo que consiste na cobertura do solo úmido com plástico de polietileno transparente, na estação quente do ano, antes do plantio. O solo é mantido coberto com o plástico por cerca de 30 a 60 dias. Durante esse período, ocorre o efeito estufa, que aquece o solo, principalmente nas horas mais quentes do dia, provocando a morte de sementes e propágulos de plantas invasoras e de fitopatógenos que sobrevivem no solo. A aplicação da solarização só deve ser feita nos períodos do ano com maiores temperaturas e radiação solar, para garantir a eficiência do aquecimento do solo coberto pelo plástico.

Como aplicar a solarização na propriedade?
Para aplicar a solarização, a área a ser plantada deve ser bem preparada com aração e gradagem. A superfície deve ficar livre de torrões grandes e galhos que possam romper o plástico. As adubações e calagens necessárias devem ser feitas antes da colocação do plástico, para evitar o revolvimento do solo após a solarização. Toda a área deve ser bem irrigada (até a capacidade de campo), pois o efeito da solarização depende do calor e da umidade. Logo após a irrigação, o solo deve ser coberto com plástico de polietileno transparente com 75 micras a 100 micras de espessura. As bordas do plástico devem ser enterradas à profundidade de 20 cm para reter o calor e a umidade. O plástico deve ser colocado bem esticado e rente ao solo para evitar a formação de bolsões de ar, o que reduz a eficiência do processo e 295 296 193 facilita o rompimento do plástico pelo vento. Recomenda-se a cobertura do solo com o plástico por 30 a 60 dias dependendo da infestação da área a ser tratada, sempre nos períodos do ano com maior temperatura e radiação solar. Após esse período, o plástico é removido, podendo ser guardado para reutilização. Em casas de vegetação teladas, além da cobertura do solo com o plástico, recomenda-se cobrir também as telas laterais, para permitir maior aumento da temperatura durante a solarização.

Como funciona a solarização no controle de plantas espontâneas?
A solarização provoca o aumento diário da temperatura do solo, que atinge cerca de 40 °C a 45 °C, à profundidade de 20 cm, e de 50 °C a 60 °C, a 5 cm, nas horas mais quentes do dia. A flutuação de temperaturas durante o dia, associada à umidade do solo, provoca a morte de sementes e propágulos de plantas invasoras, o que reduz consideravelmente sua emergência na área solarizada e a necessidade de capinas. Durante o processo de solarização, o crescimento de plantas sob o plástico é impedido pelas altas temperaturas e as que conseguem germinar são queimadas rapidamente. A ausência de crescimento de plantas invasoras sob o plástico durante a solarização é um indicativo de que esse processo está sendo realizado corretamente e na época do ano adequada. Após a retirada do plástico, o crescimento de plantas invasoras é bastante reduzido, por causa da morte de parte significativa das sementes e propágulos presentes no solo, pela ação direta do calor, pela queima de plântulas germinadas ou pela alteração no balanço de gases no solo durante a solarização que afeta a sobrevivência das plantas. Mas é bem provável que o principal fator da morte seja o calor. A sensibilidade das plantas depende de suas características biológicas, da umidade e da profundidade das sementes durante o tratamento. Estudos estão sendo realizados para determinar que espécies são mais sensíveis ou resistentes ao processo. Para garantir maior eficiência da solarização, recomenda-se não revolver o solo após o tratamento, para não trazer à superfície as sementes que sobreviveram em maiores profundidades.

A solarização também funciona para o controle de doenças?
A solarização é uma técnica de desinfestação do solo inicialmente desenvolvida para o controle de doenças causadas por patógenos que sobrevivem e se acumulam no solo. A solarização tem sido usada no controle de fungos, nematóides e bactérias causadores de podridões e murchas nas plantas. A eficiência do método depende da intensidade da infestação da área, da aplicação correta da solarização na época adequada e até do uso em conjunto com outros métodos de controle. O efeito da solarização no controle de patógenos do solo ocorre por causa do aumento da temperatura que provoca a morte dos microrganismos patogênicos e do aumento do controle biológico em virtude do favorecimento de microrganismos antagonistas. Esses microrganismos são prejudiciais aos patógenos do solo e sobrevivem bem ao processo de solarização. Diversos estudos estão sendo feitos para determinar as condições mais adequadas de solarização a fim de melhorar o controle de patógenos importantes em diversas culturas. As pesquisas realizadas no Brasil e no exterior já evidenciaram o controle de patógenos causadores de murchas e podridões de raízes incluindo fungos (Phytophthora, Pythium, Sclerotium, Sclerotinia, dentre outros), bactérias (Ralstonia solanacearum, Agrobacterium) e nematóides (Meloidogyne incognita, etc.).

O efeito da solarização persiste por quanto tempo?
O efeito da solarização no controle de plantas invasoras pode ser visualizado durante o período de cultivo, mas a duração desse efeito é afetada por fatores como espécies de plantas espontâneas presentes na área, intensidade de infestação, métodos de preparo do solo utilizados na propriedade, manejo da cultura, etc. O efeito sobre o controle de fitopatógenos do solo pode se prolongar por mais de uma estação de cultivo em virtude do estímulo que a solarização traz ao controle biológico por microrganismos do solo. Dependendo do manejo da cultura, da rotação e das cultivares utilizadas, pode-se prolongar os efeitos da solarização no controle de doenças causadas por fitopatógenos do solo por mais de um ano de cultivo.

Já existem exemplos práticos de aplicação da solarização na produção de hortaliças orgânicas?
 No Brasil, os exemplos são na maioria experimentais em virtude de a solarização ainda ser uma técnica pouco conhecida pelos produtores. Em estudos sobre o efeito da solarização em população infestante de tiririca (Cyperus rotundus) realizados na Embrapa Agrobiologia, verificou-se que a solarização do solo tornou desnecessária a capina durante o período de cultivo da cenoura e feijão-de-vagem em sistema orgânico, reduzindo a necessidade de mão-de-obra. Nas áreas não solarizadas, foi preciso fazer capina nos primeiros 30 dias de cultivo. O controle, entretanto, não foi total, pois a tiririca é uma das espécies mais tolerantes às temperaturas elevadas. O conhecimento dos benefícios da solarização, porém, ainda é restrito e sua principal limitação é a escolha da época adequada do ano, pois essa é uma técnica dependente das condições climáticas. A definição da melhor estratégia para inserir o processo de solarização na seqüência de cultivos nas propriedades, em um sistema de manejo integrado, e a maior divulgação da técnica são importantes para que a solarização seja utilizada de forma eficiente pelos produtores.

A solarização é aceita pelas certificadoras?
A solarização é permitida na agricultura orgânica, de acordo com a Instrução Normativa no 7, sendo citada especificamente no 300 301 196 Anexo III, que trata da produção vegetal, indicada para o manejo de plantas invasoras. Dentre as certificadoras, o Instituto Biodinâmico (IBD), na 12a edição de suas Diretrizes para o Padrão de Qualidade, determina que serão permitidos o controle térmico de invasoras e os métodos físicos para o controle de pragas, doenças e manejo de plantas invasoras. O uso de cobertura de polietileno também é permitido desde que seja removido do solo após o uso. Nas Normas de Produção Orgânica, da Associação de Agricultura Orgânica (AAO), é permitido o uso de métodos físicos e mecânicos, incluindo o uso do calor.

A solarização pode afetar negativamente os organismos benéficos do solo?
 O aquecimento do solo produzido pela solarização provoca alterações na comunidade microbiana do solo como um todo. No entanto, os microrganismos patogênicos tendem a ser mais afetados pela solarização, pois são menos competitivos no solo que os microrganismos não patogênicos ou saprófitas. Os microrganismos saprófitas, dentre os quais estão muitos microrganismos responsáveis pelo controle biológico de doenças e pela promoção do crescimento das plantas, são adaptados para sobreviver decompondo a matéria orgânica do solo. A solarização provoca redução na população de alguns microrganismos benéficos, mas eles se recuperam rapidamente após o tratamento, recolonizando o solo. Esse aumento na população de microrganismos benéficos provoca um efeito positivo no crescimento das plantas, após a solarização, e um efeito de controle biológico sobre os patógenos do solo. Alguns grupos de bactérias chegam a aumentar sua população cerca de 20 vezes no solo solarizado. Embora a atividade microbiana total do solo sofra pequena redução, observa-se, ao mesmo tempo, um aumento na atividade supressiva do solo em relação aos patógenos, indicando o aumento na população de microrganismos relacionados ao controle biológico. A extensão e a duração dos efeitos da solarização sobre 302 197 diversos grupos de microorganismos estão sendo avaliadas em trabalhos de pesquisa, mas verifica-se que, em geral, os organismos benéficos são pouco afetados pelo processo de solarização. Deve-se considerar que a microbiota do solo responde rapidamente a qualquer interferência nesse ambiente, como o preparo do solo, a irrigação, as alterações climáticas, e a solarização do solo não escapa à regra.



Ferreira On 7/10/2017 11:24:00 AM Comentarios LEIA MAIS

quinta-feira, 10 de agosto de 2017

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE PRODUÇÃO ORGÂNICA DE HORTALIÇAS - Capítulo 15: Pós-Colheita

Fonte: Livro da Embrapa Hortaliças – Brasília, DF. Interessados em adquirir o livro “PRODUÇÃO ORGÂNICA DE HORTALIÇAS – Coleção 500 Perguntas – 500 Respostas” devem entrar em contato através do email: vendas@sct.embrapa.br;              Para ver o livro completo, acessar: http://mais500p500r.sct.embrapa.br/view/pdfs/90000021-ebook-pdf.pdf

     Com o objetivo de divulgar e aumentar o conhecimento sobre agricultura orgânica,  estamos transcrevendo  do livro, algumas perguntas e respostas que consideramos mais relevantes.



Capítulo 15 – Pós-Colheita

Autores:  Neide Botrel Gonçalves, Roberto Guimarães Carneiro e Edson Ferreira do 
                 Nascimento


O que é tecnologia pós-colheita de hortaliças?
 São todos os cuidados dispensados na conservação de um produto hortícola, desde a colheita até chegar à mesa do consumidor.

Que cuidados devem ser adotados no momento da colheita?
Os cuidados na colheita são os seguintes:
- Fazer a colheita nas horas mais frescas do dia, ao amanhecer ou entardecer. 
- Não deixar as partes descartadas e não aproveitadas na horta, pois podem servir de fonte de infecção. 
- Não deixar os produtos colhidos expostos ao sol.
- Armazenar os produtos colhidos em um local sombreado e fresco. 
- Utilizar caixas e cestos limpos para acondicionar e transportar as hortaliças colhidas. 
No caso de hortas domésticas, colher somente a quantidade de hortaliças que será consumida nos próximos três dias.

Que cuidados devem ser adotados após a colheita do produto?
 Após a colheita do produto, deve-se:
 Diminuir o intervalo entre a colheita e o consumo, porque quanto mais tempo ficar armazenado, maior a chance de perda do produto.
Manter a higiene, colhendo e armazenando as hortaliças em ambientes e embalagens limpos. 
Limpar e selecionar as hortaliças em local adequado. 
• Algumas hortaliças, como batata, batata-doce, cará, inhame, cebola e alho, necessitam passar pelo processo de “cura”, armazenamento à sombra de até 3 dias que proporciona a cicatrização de ferimentos e a secagem das escamas externas dos bulbos.

Quais os principais fatores que interferem na conservação das hortaliças após a colheita?
 Na conservação das hortaliças, após a colheita, interferem:
  •  As condições de colheita.
 •  O ponto de colheita.
 •  O intervalo de tempo entre a colheita e o consumo.
 •  O manuseio.
 •  O acondicionamento.
 •  As condições de armazenamento.
 •  O processamento, quando for o caso.

Como o ponto de colheita pode interferir na conservação do produto?
O ponto de colheita é decisivo para a conservação e qualidade de hortaliças e frutas. Quando colhido precocemente, antes de o produto ter completado seu pleno desenvolvimento, a qualidade ficará comprometida e serão obtidos menores rendimentos. Por sua vez, quando ultrapassado o ponto ideal de colheita, há também depreciação da qualidade, pois pode haver o desenvolvimento de sabores desagradáveis, como na alface (sabor amargo) e na rúcula (sabor muito picante), e de excesso de fibras, como na cenoura e no quiabo.

Por que somente alguns tipos de frutos, como o tomate, amadurecem depois de colhidos?
 Isso se deve ao padrão respiratório. Esses frutos são chamados de frutos climatéricos e apresentam taxa respiratória mais baixa e constante, com um pico de alta próximo ao amadurecimento. Nesse caso, os frutos podem ser colhidos com pleno desenvolvimento, mesmo não estando prontos para o consumo, e amadurecerem em separado da planta-mãe, como é o caso do tomate e da banana. Existem aqueles que não amadurecem após colhidos, embora um leve amolecimento e perda de coloração verde possam ocorrer. Esse tipo de fruto apresenta um contínuo decréscimo em sua taxa respiratória durante o crescimento e após a colheita. Por essa razão, deve ser colhido maduro, como é o caso da pimenta e da uva.

Quais as partes das hortaliças que podem ser consumidas?
A maioria das hortaliças tem uma parte de grande valor comercial, como é o caso da alface (folhas), tomate (frutos) e couve-flor (flores). Em uma horta, algumas plantas podem ser aproveitadas integralmente, como cenoura e beterraba, cujas partes comerciais são as raízes, mas pode-se também utilizar as folhas na forma de saladas ou empanadas
Na Tabela 3, as hortaliças estão agrupadas de acordo com sua parte comercial.

Tabela 3. Hortaliças e parte comercial.
Parte Comercial
Hortaliças
                           Haste ou broto
                                                                                                    Aspargo, funcho, aipo,couve e rábano
                                    Folha
Acelga, agrião, alface, almeirão, cebolinha, coentro, couve, espinafre, repolho, rúcula e salsa
                                        Flor
                                                                                                     Couve-flor e brócolos
                                   Fruto
Abóbora, abobrinha, berinjela, chuchu, pimenta, pimentão, pepino, quiabo, tomate, melancia e melão
                                     Raiz
                                                                                                 Mandioca, batata-doce, beterraba, cenoura, nabo e rabanete
                                Tubérculo
                                                                                                     Batata
                               Bulbo
                                                                                                       Alho e cebola
                              Semente
                                                                                      Ervilha e vagem


Quais os tipos de hortaliças mais difíceis de conservar após a colheita?
As hortaliças folhosas normalmente desidratam com mais facilidade, levando à rápida perda de qualidade. Quando perdem 3% a 4% de água, apresentam sintomas de murcha, o que impede sua comercialização e consumo.

Por que as hortaliças devem ser armazenadas rapidamente após a colheita?
 Depois de colhidas, as hortaliças continuam vivas, por isso mantêm vários processos, como a perda de água, a respiração e a transpiração. Todos esses processos afetam a qualidade e o frescor dos produtos hortícolas, além da aparência e valor nutritivo. A perda de água é maior nas primeiras horas após a colheita, porque o produto ainda está com o calor de campo, ou seja, a mesma temperatura da horta. Por essa razão, é importante que o produto seja colocado em local fresco para começar a esfriar.

 Como as hortaliças se mantêm vivas após a colheita?
 Como a planta-mãe não pode mais suprir suas necessidades, os vegetais têm vida independente e utilizam, para respirar e transpirar, suas próprias reservas acumuladas durante o desenvolvimento. Alguns órgãos vegetais também utilizam a energia liberada pela respiração para continuar o seu amadurecimento, como é o caso do tomate colhido em estádio meio maduro.

Por que os produtos hortícolas estragam mais rapidamente em temperatura ambiente?
Em geral, quanto mais elevada a temperatura, menor o tempo de armazenamento de produtos hortícolas, porque os fatores que levam às perdas qualitativas e quantitativas, em sua maioria, são acelerados com o aumento da temperatura. Existem algumas exceções, como batata, inhame e cebola, que podem ser armazenados sem refrigeração.

Como conservar as hortaliças na geladeira?
O ideal é guardar frutas e hortaliças na gaveta indicada especialmente para seu armazenamento. Nesse compartimento, a ventilação é menor, o que evita a dessecação e a desidratação dos produtos, e a temperatura é mais estável e não sofre muitas variações quando a porta da geladeira é aberta.

Que hortaliças são mais sensíveis ao frio?
 De maneira geral, as hortaliças e frutas que se originam de regiões tropicais e subtropicais são mais sensíveis a temperaturas de armazenamento mais baixas. Em alguns casos, podem variar de acordo com a espécie, com o tipo (cultivar ou variedade) e, até mesmo, com o sistema de cultivo. Berinjela, chuchu, pimentão, abobrinha e jiló são exemplos de hortaliças sensíveis ao frio.

Como guardar sob refrigeração as hortaliças sensíveis ao frio?
 Para as hortaliças sensíveis ao frio, o ideal é mantê-las na gaveta, na parte mais baixa da geladeira, embaladas em sacos plásticos fechados, em temperaturas em torno de 8o C, por períodos curtos de tempo, inferiores à 4–5 dias.

Que hortaliças são menos sensíveis ao frio?
Em geral, as hortaliças que se desenvolvem melhor em climas mais amenos são menos sensíveis ao frio. Raízes e tubérculos suportam melhor as baixas temperaturas, podendo ser armazenados a 1o C e 5o C.
Na Tabela 4, alguns exemplos de frutas e hortaliças classificados de acordo com a sensibilidade ao frio.

  Tabela 4. Hortaliças e frutas conforme a sensibilidade ao frio.
Sensibilidade ao frio
Hortaliças
Frutas

Sensível
Pepino, berinjela, quiabo, batata, tomate, batata doce, pimenta e pimentão
Abacate, abacaxi, banana, citros, goiaba, manga, mamão e maracujá

Pouco Sensível
Cenoura, couve-flor, brócolos, espinafre, ervilha, alface, milho-verde, salsão, repolho, beterraba e mandioquinha-salsa
Pêssego, ameixa, uva, figo, Cereja, caqui e morango


Quais hortaliças não precisam ser guardadas em condições de refrigeração?
Várias hortaliças podem ser guardadas em locais frescos, escuros ou sombreados, e ventilados sem necessidade de refrigeração, desde que estejam inteiras e sem danos aparentes. Incluem-se nesse grupo abóboras e morangas, batata, inhame, cará, batata-doce, cebola e alho.
Devem ser evitados lugares com muita luz, para não causar esverdeamento dos tubérculos de batata nem estimular a brotação dos bulbos de cebola.

Por que a redução da temperatura de armazenamento geralmente aumenta o tempo de vida útil das hortaliças?
 Porque a baixa temperatura reduz a respiração do produto e desacelera outros processos fisiológicos importantes, mantendo os níveis mínimos que garantem a integridade e manutenção da condição viva da hortaliça.

Por que as hortaliças se conservam por mais tempo quando embaladas?
 Por causa da modificação da concentração de gases (gás carbônico e oxigênio) no interior da embalagem e também da redução da perda de água pelo produto. Ao ser embalado, a taxa respiratória do produto diminui, mantendo vivas as células vegetais por mais tempo, além disso, há aumento da umidade relativa no interior da embalagem. Para potencializar o efeito da embalagem, deve-se sempre manter os produtos hortícolas em geladeira ou em armazenamento refrigerado.

Qual a vantagem, para o produtor, de colocar rótulo no produto?
No caso de se comercializar ou vender as hortaliças produzidas em hortas, a rotulagem apresenta várias vantagens, entre elas:
 É considerada “cartão de visita” do produtor, representando um trabalho de qualidade e mantendo boa apresentação.
Colabora para o estabelecimento de um elo de fidelidade entre produtor e consumidor, pois este identifica no rótulo a marca e o fornecedor com quem pode interagir, inclusive no caso de eventuais problemas.

Como a perda de água pode comprometer a qualidade de um produto hortícola?
A transpiração excessiva pode comprometer a qualidade dos produtos hortícolas, quer na aparência, tornando-os enrugados e com colorações opacas, quer na textura, tornando-os flácidos, moles e murchos.

Que fatores afetam a transpiração de um produto hortícola?
A transpiração é um processo complexo, afetado por um grande número de fatores, que podem ser resumidos em três grandes grupos: 
- Aspectos inerentes à própria fruta ou hortaliça, como sua forma, tamanho e outras características.
- Manuseio do produto, relacionados ao modo de colheita, práticas de pós-colheita, transporte e embalagem. 
- Condição ambiental, principalmente temperatura, umidade relativa e composição de gases.

Que fatores relacionados aos produtos hortícolas interferem no aumento da transpiração?
 Os seguintes fatores interferem no aumento da transpiração: 
Tamanho: quanto maior for a superfície exposta do produto, maior será a taxa de transpiração. 
Superfície/Volume: quanto maior for essa relação, maior será a perda de peso. 
Estômatos e lenticelas: aberturas naturais por onde se dão as trocas gasosas, inclusive a saída de vapor d’água.
Região de inserção do pedúnculo no fruto: quando retirado  o pedúnculo, a região exposta perde água.
Presença de cera natural: reduz a transpiração do  produto.
Presença de pilosidade: reduz a transpiração do produto.

De que forma o manuseio pode interferir na taxa de transpiração de um produto?
 O manuseio inadequado pode interferir decisivamente no aumento da transpiração do produto. Por isso, quedas, batidas, excesso de peso ou técnica inadequada ao embalar os produtos nas caixas devem ser evitados, porque causam rachaduras, abrasões e arranhões, que removem ou enfraquecem as camadas protetoras exteriores das frutas e das hortaliças, depreciando-as pelo aumento da transpiração.

Como o local de armazenamento pode interferir no aumento da transpiração do produto?
Alguns fatores ambientais, em especial a temperatura e a umidade relativa, podem alterar a transpiração dos frutos e hortaliças. Quanto menor a temperatura e maior a umidade relativa, menor será a transpiração do produto. Porém, a temperatura adequada de armazenamento varia de acordo com o tipo de produto.

A presença de resíduos de agrotóxicos nos produtos hortícolas significa riscos ao consumidor?
A presença de resíduos não é desejada e oferece riscos, que obviamente aumentarão conforme a concentração dos resíduos nos alimentos. A legislação admite resíduos de agrotóxicos, dependendo fundamentalmente dos níveis detectados. Esses devem estar abaixo do Limite Máximo Permitido (LMR), que varia de acordo com o produto e o agrotóxico identificado. O mais recomendado é consumir alimento seguro. 

O que é alimento seguro?
 Alimento seguro é aquele que não oferece riscos à saúde do consumidor, nem de natureza biológica (bactérias, vírus e fungos), nem química (agrotóxicos e micotoxinas), nem física (pedaços de plástico, vidros, etc.).

Os resíduos de agrotóxicos nas hortaliças podem ser eliminados com boa higienização?
 Os resíduos de agrotóxicos que estiverem na superfície do produto podem ser eliminados até mesmo com a lavagem em água corrente. Entretanto, como a maioria dos agrotóxicos circula nas partes internas das plantas, não pode ser eliminada totalmente mesmo quando se descasca a fruta ou hortaliça.

Que medidas devem ser adotadas para diminuir os riscos de intoxicação durante o consumo alimentar de produtos hortícolas?
As medidas para evitar a intoxicação são as seguintes:  
- Produzir seu próprio alimento em hortas e pomares domésticos.
- Lavar bem as hortaliças e frutas em água corrente e colocá-las em uma mistura de 1 L de água com 4 colheres de água sanitária (hipoclorito de sódio) por 10 a 15 minutos.  Depois desse tratamento, lavar novamente com água tratada.
- Descascar as frutas, pois alguns resíduos ficam depositados na casca.
-  Dar preferência à compra de hortaliças e frutas da época. 

Que medidas podem ser adotadas para minimizar contaminações nos produtos frescos durante o cultivo?

 A Tabela 5 apresenta medidas preventivas, que ajudam a minimizar a contaminação de hortaliças durante o cultivo.

Tabela 5. Formas de prevenir a contaminação de hortaliças durante o cultivo.
Riscos de contaminação
Prevenção
Presença de animais domésticos e roedores
Manter animais domésticos afastados das áreas de produção e  controlar os ratos 
Solo com fezes e resíduos químicos
Cuidar na manipulação do lixo,  tratar o esgoto e  manter histórico de uso do solo 
Contaminação cruzada na colheita e pós-colheita
Adotar práticas de higiene para o trabalhador e as instalações sanitárias,  utilizar equipamentos de proteção individual (EPI) e  higienizar corretamente utensílios,  equipamentos e área de trabalho
Esterco mal curtido, com bactérias, vírus e fungos
Fazer compostagem 
Presença de metais pesados
Evitar fertilizantes minerais ou orgânicos que ofereçam riscos de contaminação com metais pesados
Água contaminada para irrigação e beneficiamento
Captar água de boa qualidade e  coletar amostras de água para análises periódicas
Fonte: adaptado de Embrapa Semi-Árido (2001).

Que medidas podem ser adotadas para armazenar as hortaliças em casa?
Para armazenar as hortaliças em casa, deve-se:  
- Colher somente a quantidade que será consumida.
-  Limpar e lavar as hortaliças antes de levá-las à cozinha
-  Acondicionar as hortaliças em sacolas de plástico com  pequenos furos, e conservá-las na gaveta da geladeira.  
- Sempre que possível, aproveitar o excedente nas formas processadas, como conserva, congelamento ou desidratação.

segunda-feira, 10 de julho de 2017

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE PRODUÇÃO ORGÂNICA DE HORTALIÇAS- Capítulo 11: Plantas Espontâneas e Solarização

Fonte: Livro da Embrapa Hortaliças – Brasília, DF. Interessados em adquirir o livro “PRODUÇÃO ORGÂNICA DE HORTALIÇAS – Coleção 500 Perguntas – 500 Respostas” devem entrar em contato através do email: vendas@sct.embrapa.br;              Para ver o livro completo, acessar: http://mais500p500r.sct.embrapa.br/view/pdfs/90000021-ebook-pdf.pdf

     Com o objetivo de divulgar e aumentar o conhecimento sobre agricultura orgânica,  estamos transcrevendo  do livro, algumas perguntas e respostas que consideramos mais relevantes.


Capítulo 11 – Plantas espontâneas e Solarização

Autores:  Welington Pereira e  Mírian Josefina Baptista

O que são plantas invasoras ou ervas daninhas?
Esses termos são muito empregados na literatura, agrícola e botânica, brasileira, gerando confusões e controvérsias a respeito de seu significado. Em conceituação ampla, planta daninha é “toda e qualquer planta que ocorre onde não é desejada”. Essa definição ampla inclui as soqueiras ou plantas voluntárias de certas culturas, como batata e batata-doce, que crescem em outras culturas implantadas em sucessão. Em termos agrícolas, planta daninha pode ser conceituada como “toda e qualquer planta que germine espontaneamente em áreas de interesse humano e que, de alguma forma, interfere prejudicialmente em suas atividades agropecuárias”.

O que são plantas espontâneas?
Plantas ou ervas espontâneas e plantas invasoras são espécies de plantas que germinam na área de cultivo, podendo ser espécies nativas ou exóticas já estabelecidas. Espécies nativas são as que surgem naturalmente na região, originárias da própria área, ao passo que espécies exóticas são introduzidas na região, isto é, não são nativas ou originárias da área. Embora a Instrução Normativa no 7, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), de 17/5/99, adote , entre outras normas disciplinares para a produção vegetal orgânica, o termo “plantas invasoras”, é muito comum o uso do termo “plantas espontâneas” nos sistemas de produção orgânica.

Qual o papel das plantas espontâneas nos sistemas orgânicos?
Uma das diferenças fundamentais do sistema orgânico em relação ao convencional é a promoção da agrobiodiversidade e da manutenção dos ciclos biológicos na unidade produtiva, procurando a sustentabilidade econômica, social e ambiental da unidade, no tempo e no espaço. Nesse contexto, a flora presente assume grande importância quando as espécies da comunidade atuam como protetoras do solo, como hospedeiras alternativas de inimigos naturais, pragas, patógenos ou como mobilizadoras ou cicladoras de nutrientes, competindo por água, etc.

Por que o termo plantas daninhas não é utilizado na agricultura orgânica?
O uso do termo “plantas daninhas” não é apropriado para a agricultura orgânica, pois leva em conta apenas seus efeitos negativos sobre a produção agrícola, ignorando os efeitos positivos. É muito importante considerar a maneira pela qual as plantas interagem com seus vizinhos no agroecossistema, uma vez que há vários tipos, maneiras e graus de interação entre elas. A protocooperação, por exemplo, é o tipo positivo de interação ou associação, em que os dois parceiros são estimulados quando estão próximos o bastante para participar da interação. A associação de insetos benéficos com as plantas invasoras e as culturas representa provavelmente o exemplo mais conhecido de protocooperação na agricultura. Por sua vez, tanto as plantas cultivadas como as silvestres são hospedeiras de grande número de pragas e patógenos, servindo inclusive de abrigo e fonte de alimento para insetos benéficos. É importante observar que o conceito de planta daninha é relativo, pois muitas delas podem trazer vantagens ao homem pelo enriquecimento da fauna benéfica, apesar de danificarem a produtividade biológica em determinadas fases dos cultivos.

Quais as principais vantagens de deixar plantas espontâneas crescerem ao redor de hortaliças cultivadas?
O crescimento das plantas espontâneas ao redor de hortaliças ou o estabelecimento de áreas ou faixas de vegetação espontânea fora da área cultivada comercialmente tem a vantagem de preservar ao máximo os aspectos naturais estabelecidos pelo ecossistema local. Na divisão dos talhões de cultivo, devem ser deixadas faixas de vegetação espontânea de 2 m a 4 m de largura, chamadas de corredores de refúgio, para abrigar a fauna local benéfica. Além disso, deve-se fazer o manejo da vegetação espontânea com capinas em faixas nas culturas com espaçamento nas entrelinhas e manter a vegetação entre os canteiros. Essas técnicas têm a vantagem de assegurar maior estabilidade do sistema produtivo, reduzindo normalmente os problemas com pragas e doenças. Sistemas diversificados podem diminuir a incidência de pragas e aumentar a atividade de inimigos naturais. Entre outras vantagens, a vegetação espontânea pode colaborar para a ciclagem de nutrientes de fácil mobilidade e, por cobrirem o solo, podem protegê-lo contra a erosão.

Quais as plantas espontâneas indicadoras de solo pobre ou quimicamente desequilibrado?

Algumas das principais plantas indicadoras de solo pobre ou desequilibrado estão listadas na Tabela 4.

 Tabela 4. Plantas indicadoras de solo pobre ou desequilibrado.

      Planta espontânea    
            Características indicadoras
Amendoim-bravo ou leiteiro  (Euphorbia heterophylla)
Desequilíbrio entre nitrogênio (N) e micronutirentes, sobretudo molibdênio (Mo) e cobre (Cu)
Azedinha (Oxalis oxyptera)
Solo argiloso, pH baixo, falta de cálcio (Ca), falta de molibdênio
Barba-de-bode (Aristilla pallens)
Terra de queimadas, pobreza em fósforo (P), cálcio, potássio (K), solos com pouca água
Cabelo-de-porco (Carex spp.)
Pouco cálcio (Ca)
Capim-amargoso ou capim-açu (Digitaria insularis)
Solos de baixa fertilidade
Capim-caninha ou capim-colorado (Andropogon incanis)
Solos temporariamente encharcados, periodicamente queimados e com deficiência de fósforo (P)
Capim-arroz (Echinochloa crusgalli var. crusgalli)
Solo rico em elementos tóxicos, como o alumínio na forma reduzida
Capim-marmelada ou papuã (Brachiaria plantaginea)
Típico de solos constantemente arados, gradeados, com deficiência de zinco (Zn)
Capim-rabo-de-burro (Andropogon sp.)
Indica solos ácidos com baixo teor de cálcio, camada impermeável entre 60 cm e 120 cm de profundidade
Capim-amoroso ou carrapicho (Cenchrus ciliatus)
Terra de lavoura empobrecida e muito compacta, pobre em cálcio (Ca)
Caraguatá (Eryggium ciliatum)
É freqüente em solos onde se praticam queimadas, com húmus ácido
Carrapicho-de-carneiro (Acanthosperum hispidum)
Deficiência em cálcio (Ca)
Cavalinha (Equisetum SP.)
Solo com acidez de média a elevada
Guanxuma (Sida spp.)
Quando tem um baixo crescimento, indica que o solo é pouco fértil
Mio-mio (Bacharis coridifolia)
Deficiência de molibdênio (Mo)
Nabo (Raphanus raphanistrum)
Deficiência de boro (B) e manganês (Mn)
Picão-branco (Galinsoga parviflora)
Solo com excesso de nitrogênio (N) e deficiente em micronutrientes. É beneficiado pela deficiência de cobre (Cu)
Samambaia (Pteridium auilinum)
Solo com altos teores de alumínio (Al) tóxico
Sapé (Imperata exaltata)
Solos ácidos. Ocorre também em solos deficientes em magnésio (Mg)
Tiririca (Cyperus rotondus)
Solo ácido, com carência de magnésio (Mg)
Urtiga (Urtica urens)
Carência em cobre (Cu)



Quais as plantas espontâneas indicadoras de solo fértil?
Entre as plantas indicadoras de solo fértil, pode-se citar a beldroega (Portulaca oleracea), a chirca (Ruppatorium sp.), o dentede-leão (Taraxum oficialis) e a guanxuma (Sida spp.). 

A incidência de plantas espontâneas pode variar de acordo com o tipo de hortaliça cultivada?
 Sim. A incidência de plantas espontâneas em áreas de cultivo de hortaliças depende de vários fatores, que variam de acordo com o tipo de hortaliça, uma vez que são cultivadas em diferentes espaçamentos, arranjos e densidades populacionais. Além disso, as hortaliças têm diferentes taxas de crescimento e arquitetura, que resultam em diferenças nos índices de área foliar, cobertura do solo e graus de interceptação da luz solar, fator essencial para o estímulo, germinação de sementes e ocorrência de plantas espontâneas. As hortaliças que conseguem cobrir mais rapidamente o solo geralmente reduzem a incidência de plantas espontâneas na área cultivada.

 O que é alelopatia?
O termo alelopatia, segundo o interesse específico da área de manejo de plantas invasoras, refere-se aos efeitos biológicos negativos das plantas de uma espécie vegetal sobre o desenvolvimento e o crescimento de plantas de outra espécie, resultantes da liberação de substâncias químicas orgânicas no ambiente comum. Assim, algumas plantas (cultivadas ou não) complementam sua agressividade pela liberação de substâncias tóxicas ou substâncias inibidoras de crescimento chamadas de aleloquímicos, por meio de exsudações pelas raízes e lixiviação da matéria orgânica produzida. Em geral, essas substâncias modificam o crescimento das espécies que as absorvem, reduzindo ou eliminando sua habilidade de competição. A comprovação dos efeitos diretos dos aleloquímicos nas condições de campo é difícil, sendo preciso separar a alelopatia de outras formas de interferência negativa, especialmente a competição. Vários trabalhos na literatura demonstram que as hortaliças são bastante suscetíveis aos aleloquímicos. As leguminosas mucuna-preta e feijão-de-porco mostraram-se eficientes no processo de competição, alelopatia e na redução do banco de sementes do solo.

Qual a alternativa para reduzir a presença de plantas espontâneas no início do cultivo de hortaliças?
A presença de plantas espontâneas no início do cultivo de hortaliças pode ser reduzida com técnicas de manejo em pré- semeadura ou no transplante das mudas. Pode-se, também, planejar o uso de glebas associado a um programa de solarização dos talhões no período de altas temperaturas antes do plantio. O preparo do solo e a pré-irrigação estimulam a germinação e o desenvolvimento das plantas invasoras. Recomenda-se fazer o preparo do solo de 3 a 4 semanas antes do plantio para permitir a germinação, o crescimento inicial e o controle pós-emergente das plantas emersas e em processo de germinação, com capina manual, gradagem ou encanteiramento, de forma superficial para evitar revolver muito o solo novamente e provocar novos estímulos de germinação de outras sementes. O controle de plântulas espontâneas também pode ser feito com fogo produzido por bicos aplicadores a gás, no início ou por ocasião do primeiro cultivo da hortaliça.

Como pode ser feito o controle da vegetação espontânea no cultivo orgânico?
Em conformidade com a Instrução Normativa nº 007, o manejo das plantas invasoras deve ser feito pelo emprego de uma ou mais das seguintes técnicas:
• Cobertura vegetal do solo, viva ou morta.
• Meios mecânicos de controle.
• Rotação de culturas.
• Alelopatia.
• Controle biológico.
• Cobertura inerte, que não cause contaminação e poluição, a critério da certificadora. • Solarização.
• Sementes e mudas isentas de plantas invasoras.

O que é capina seletiva?
Capina seletiva consiste em arrancar as plantas espontâneas que estão amadurecendo, que já cumpriram com seu papel ecofisiológico, mantendo apenas as plantas jovens. A capina seletiva deve eliminar somente as espécies mais agressivas e/ou que estejam interferindo biologicamente na cultura. A matéria orgânica capinada é deixada sobre o solo. A análise do período em que as espécies de plantas invasoras competem com as hortaliças por fatores de crescimento é importante, e a época e a duração do período em que a cultura e as plantas espontâneas coexistem exercem influência na intensidade da interferência biológica.

É verdade que o esterco de gado é uma das maiores fontes de sementes de plantas espontâneas?
 Sim. O uso de suplementos orgânicos pode constituir-se em fonte de plantas invasoras ou espontâneas, sobretudo se o esterco de gado não tiver sido suficientemente tratado antes da sua aplicação no solo. Por exemplo, cerca de 20 % das sementes de ançarinha-branca (Chenopodium album) permaneceram viáveis no estrume curtido de gado (1 kg de esterco continha 42 sementes viáveis). O uso de compostagem pode aliviar esse problema, pois as temperaturas normalmente alcançadas durante esse processo são suficientemente altas para matar a maioria das sementes. Observou-se a perda total da viabilidade das sementes de várias espécies após a compostagem do esterco de gado por 4 semanas, alcançando temperaturas de 55oC a 65oC. Para uma redução significativa da viabilidade das sementes, a temperatura requerida deve ficar acima  de 46 o C, sendo o tempo de compostagem menos importante do que a temperatura requerida.

O que é banco de sementes?
O banco de sementes do solo (BSS) é uma reserva de sementes e de propágulos vegetativos presentes na superfície e no interior do solo, composta de sementes novas produzidas anualmente e de sementes “velhas” que persistem vivas no solo por vários anos ou mesmo décadas. O banco de sementes do solo representa um “arquivo de informações” sobre as condições ambientais e as práticas culturais usadas, sendo inclusive um fator importante de avaliação do potencial de infestação das plantas invasoras, no presente e no futuro. Seu estudo permite estabelecer as relações quantitativas entre as populações de plantas presentes, sendo muito importante para os programas de manejo integrado. Práticas inadequadas de manejo tendem a aumentar o banco de sementes das plantas invasoras no solo, agravando ainda mais o problema em cultivos sucessivos.

Como ocorre a disseminação de sementes de plantas espontâneas?
Estima-se que apenas 1 % a 9 % das sementes viáveis produzidas em determinado ano germinam naquele mesmo período, ficando o resto com germinação escalonada para os anos subseqüentes, dependendo do nível de dormência, da distribuição no perfil do solo e dos estímulos recebidos para germinar. O tamanho e a composição botânica do BSS variam de acordo com os sistemas de cultivo. As sementes de espécies cultivadas geralmente não são muito competitivas porque têm baixa longevidade e rápida germinação.

Qual a importância do banco de sementes nos sistemas agroecológicos?

A grande diversidade de espécies de plantas espontâneas que infestam as áreas de cultivo de hortaliças está normalmente associada a ambientes com distúrbios constantes. Isso ocorre principalmente em virtude de suas características biológicas e reprodutivas que promovem elevada produção de sementes, eficiente dispersão de algumas espécies, dormência e longevidade das sementes e sobrevivência das plantas. Essas características, aliadas às peculiaridades do manejo, normalmente, contribuem para a geração de grandes bancos de sementes no solo, o que garante o potencial regenerativo de várias espécies. Assim, o BSS constitui– se na principal fonte das plantas espontâneas que ocorrem nos sistemas agroecológicos. Que práticas culturais utilizadas em sistemas orgânicos de produção contribuem para o manejo e/ou controle das plantas espontâneas? Vários autores relataram que a rotação de culturas e o uso de adubos verdes reduzem o tamanho do banco de sementes no solo. As seqüências de cultivos propiciam diferentes modelos de competição, alelopatia e distúrbios do solo, com variação da pressão de seleção para plantas invasoras específicas. Isso se deve ao fato de que cada cultura apresenta uma gama de plantas “associadas” variando normalmente com a localização geográfica. O uso de adubos orgânicos e a água de irrigação podem constituir-se em fonte de introdução de sementes ou de propágulos vegetativos de plantas na área cultivada.

Por que a tiririca é tão agressiva?
 O crescimento da tiririca é intenso, e normalmente superior ao das culturas anuais, por ser uma planta perene fisiologicamente eficiente, resistindo a muitas das práticas de controle comumente usadas na olericultura. De cada clone (conjunto de bulbos basais, rizomas e tubérculos geneticamente idênticos e interconectados) emerge grande número de plantas, formando altas densidades populacionais. Os tubérculos e bulbos basais são o principal local de crescimento vegetativo prolífico porque contêm as gemas para folhas, rizomas, raízes e haste floral. Os tubérculos, por sua vez, são produzidos nos rizomas, constituindo a unidade primária de reprodução e dispersão. As sementes têm taxa de germinação em torno de 5 %, no caso da tiririca-roxa, sendo consideradas de pouca importância para o estabelecimento e dispersão, pois o vigor e a sobrevivência de suas plântulas são muito baixos. Como ocorre a disseminação

Como ocorre a disseminação da tiririca nos sistemas de produção agrícola ?
 A disseminação da tiririca, tanto a curta quanto a longa distância, é feita, em geral, pelo homem mediante os seguintes mecanismos:
• Utilização de equipamentos agrícolas, como máquinas, implementos e ferramentas, com tubérculos ou plantas inteiras aderidos juntamente com resíduos vegetais ou restos de solo, os quais são disseminados durante as rotinas de preparo do solo, plantio e trânsito em geral.
• Aplicação de matéria orgânica com tubérculos e plantas de tiririca.
• Uso de substrato em bandejas e mudas de hortaliças com torrões contaminados com tubérculos, sementes e plantas de tiririca.
• Colheita, transporte, comercialização e descartes de produtos agrícolas contaminados com propágulos de tiririca. Os tubérculos de tiririca são capazes de se desenvolver dentro de tubérculos de batata e de raízes tuberosas, podendo inclusive misturar-se a hortaliças folhosas, a tubérculos e raízes durante a colheita e transporte. • Transporte de tubérculos, sementes, bulbos basais ou plantas de tiririca pela enxurrada e água dos canais de irrigação.

Como manejar a tiririca nos sistemas orgânicos de produção?
 Como normalmente os métodos de controle não impedem a reprodução de todas as partes das plantas, deve-se manter as medidas de controle continuadamente, ano após ano. Assim, o conceito de controle, independente do método, deve ser amplo, de forma que possa ser utilizado durante o ano todo e em anos sucessivos. O conjunto e a integração de todas as práticas, métodos ou tecnologias utilizadas nos ciclos de cultivos anuais e plurianuais constituem-se no que se denomina de “manejo integrado”. O controle da tiririca só pode ser alcançado com a combinação de métodos de controle (cultural, mecânico e biológico) concentrando-se nas fases de inibição da brotação dos tubérculos e/ou na inibição ou paralisação da formação e desenvolvimento de novos tubérculos a fim de reduzir gradativamente o banco de tubérculos existente no solo. Como a tiririca é muito sensível ao sombreamento, deve-se cultivar hortaliças com espaçamento o mais estreito possível e usar cultivares de desenvolvimento rápido e que produzam grande massa foliar, como a batata-doce, para reduzir o crescimento e a agressividade da tiririca.

Como é feito o controle mecânico da tiririca?
O método de controle mecânico, por meio do preparo do solo, de capinas ou cultivos, controla temporariamente a tiririca. O principal objetivo do cultivo é trazer os tubérculos para a  superfície do solo, induzir a brotação e reduzir seu número pela dessecação provocada pelos raios solares, principalmente em regiões áridas ou em épocas de seca, ou pelo bloqueio da formação de novos tubérculos por cultivos sucessivos. O tempo necessário para matar os tubérculos varia de 7 a 14 dias em condições de seca e sol forte. Em geral, a primeira brotação dos tubérculos reduz suas reservas energéticas em até 60 %. Os cortes, capinas ou cultivos sucessivos induzem um crescimento menos vigoroso por causa do consumo de aproximadamente 10 % das reservas de carboidratos a cada corte realizado. Pelo menos 2 anos de controle mecânico quinzenal são requeridos para reduzir a população de tiririca a níveis satisfatórios de manejo. A manutenção da área livre de culturas facilita o trabalho. O uso da cobertura com material inerte (plasticultura) e da solarização destacam-se entre as medidas mais eficientes para o manejo da tiririca nos sistemas agroecológicos.

Já existe controle biológico da tiririca?
 Muitos trabalhos foram realizados com o objetivo de regular a população de tiririca a níveis aceitáveis com o controle biológico clássico envolvendo o uso de insetos inimigos naturais. Entretanto, nenhum dos agentes testados produziu resultados satisfatórios em virtude da baixa especificidade na relação inseto-tiririca, baixo estabelecimento do agente e incapacidade para controlar o crescimento ou rebrote da tiririca. O melhor exemplo de controle biológico da espécie C. esculentus foi desenvolvido na década de 1990, nos Estados Unidos, com o fungo da ferrugem (Puccinia canaliculata (Schw) Lagerh.). O bio-herbicida é composto por um parasita obrigatório (o fungo da ferrugem) e assim só pode ser produzido em plantas vivas, não tendo a indústria grande interesse comercial em sua produção. O fungo da ferrugem é mantido em plantas de tiririca durante o inverno, em condições de casa de vegetação, levando-se as plantas infectadas ao campo quando a população de tiririca estiver  aparecendo na cultura. Dessa forma, a doença alcança os níveis epidêmicos no início da estação de cultivo, causando a desidratação das raízes, reduzindo o florescimento e a formação de tubérculos, provocando a morte de plantas e reduzindo a competitividade da tiririca com as hortaliças.

O que é solarização?
 A solarização é um processo físico de desinfestação do solo que consiste na cobertura do solo úmido com plástico de polietileno transparente, na estação quente do ano, antes do plantio. O solo é mantido coberto com o plástico por cerca de 30 a 60 dias. Durante esse período, ocorre o efeito estufa, que aquece o solo, principalmente nas horas mais quentes do dia, provocando a morte de sementes e propágulos de plantas invasoras e de fitopatógenos que sobrevivem no solo. A aplicação da solarização só deve ser feita nos períodos do ano com maiores temperaturas e radiação solar, para garantir a eficiência do aquecimento do solo coberto pelo plástico.

Como aplicar a solarização na propriedade?
Para aplicar a solarização, a área a ser plantada deve ser bem preparada com aração e gradagem. A superfície deve ficar livre de torrões grandes e galhos que possam romper o plástico. As adubações e calagens necessárias devem ser feitas antes da colocação do plástico, para evitar o revolvimento do solo após a solarização. Toda a área deve ser bem irrigada (até a capacidade de campo), pois o efeito da solarização depende do calor e da umidade. Logo após a irrigação, o solo deve ser coberto com plástico de polietileno transparente com 75 micras a 100 micras de espessura. As bordas do plástico devem ser enterradas à profundidade de 20 cm para reter o calor e a umidade. O plástico deve ser colocado bem esticado e rente ao solo para evitar a formação de bolsões de ar, o que reduz a eficiência do processo e 295 296 193 facilita o rompimento do plástico pelo vento. Recomenda-se a cobertura do solo com o plástico por 30 a 60 dias dependendo da infestação da área a ser tratada, sempre nos períodos do ano com maior temperatura e radiação solar. Após esse período, o plástico é removido, podendo ser guardado para reutilização. Em casas de vegetação teladas, além da cobertura do solo com o plástico, recomenda-se cobrir também as telas laterais, para permitir maior aumento da temperatura durante a solarização.

Como funciona a solarização no controle de plantas espontâneas?
A solarização provoca o aumento diário da temperatura do solo, que atinge cerca de 40 °C a 45 °C, à profundidade de 20 cm, e de 50 °C a 60 °C, a 5 cm, nas horas mais quentes do dia. A flutuação de temperaturas durante o dia, associada à umidade do solo, provoca a morte de sementes e propágulos de plantas invasoras, o que reduz consideravelmente sua emergência na área solarizada e a necessidade de capinas. Durante o processo de solarização, o crescimento de plantas sob o plástico é impedido pelas altas temperaturas e as que conseguem germinar são queimadas rapidamente. A ausência de crescimento de plantas invasoras sob o plástico durante a solarização é um indicativo de que esse processo está sendo realizado corretamente e na época do ano adequada. Após a retirada do plástico, o crescimento de plantas invasoras é bastante reduzido, por causa da morte de parte significativa das sementes e propágulos presentes no solo, pela ação direta do calor, pela queima de plântulas germinadas ou pela alteração no balanço de gases no solo durante a solarização que afeta a sobrevivência das plantas. Mas é bem provável que o principal fator da morte seja o calor. A sensibilidade das plantas depende de suas características biológicas, da umidade e da profundidade das sementes durante o tratamento. Estudos estão sendo realizados para determinar que espécies são mais sensíveis ou resistentes ao processo. Para garantir maior eficiência da solarização, recomenda-se não revolver o solo após o tratamento, para não trazer à superfície as sementes que sobreviveram em maiores profundidades.

A solarização também funciona para o controle de doenças?
A solarização é uma técnica de desinfestação do solo inicialmente desenvolvida para o controle de doenças causadas por patógenos que sobrevivem e se acumulam no solo. A solarização tem sido usada no controle de fungos, nematóides e bactérias causadores de podridões e murchas nas plantas. A eficiência do método depende da intensidade da infestação da área, da aplicação correta da solarização na época adequada e até do uso em conjunto com outros métodos de controle. O efeito da solarização no controle de patógenos do solo ocorre por causa do aumento da temperatura que provoca a morte dos microrganismos patogênicos e do aumento do controle biológico em virtude do favorecimento de microrganismos antagonistas. Esses microrganismos são prejudiciais aos patógenos do solo e sobrevivem bem ao processo de solarização. Diversos estudos estão sendo feitos para determinar as condições mais adequadas de solarização a fim de melhorar o controle de patógenos importantes em diversas culturas. As pesquisas realizadas no Brasil e no exterior já evidenciaram o controle de patógenos causadores de murchas e podridões de raízes incluindo fungos (Phytophthora, Pythium, Sclerotium, Sclerotinia, dentre outros), bactérias (Ralstonia solanacearum, Agrobacterium) e nematóides (Meloidogyne incognita, etc.).

O efeito da solarização persiste por quanto tempo?
O efeito da solarização no controle de plantas invasoras pode ser visualizado durante o período de cultivo, mas a duração desse efeito é afetada por fatores como espécies de plantas espontâneas presentes na área, intensidade de infestação, métodos de preparo do solo utilizados na propriedade, manejo da cultura, etc. O efeito sobre o controle de fitopatógenos do solo pode se prolongar por mais de uma estação de cultivo em virtude do estímulo que a solarização traz ao controle biológico por microrganismos do solo. Dependendo do manejo da cultura, da rotação e das cultivares utilizadas, pode-se prolongar os efeitos da solarização no controle de doenças causadas por fitopatógenos do solo por mais de um ano de cultivo.

Já existem exemplos práticos de aplicação da solarização na produção de hortaliças orgânicas?
 No Brasil, os exemplos são na maioria experimentais em virtude de a solarização ainda ser uma técnica pouco conhecida pelos produtores. Em estudos sobre o efeito da solarização em população infestante de tiririca (Cyperus rotundus) realizados na Embrapa Agrobiologia, verificou-se que a solarização do solo tornou desnecessária a capina durante o período de cultivo da cenoura e feijão-de-vagem em sistema orgânico, reduzindo a necessidade de mão-de-obra. Nas áreas não solarizadas, foi preciso fazer capina nos primeiros 30 dias de cultivo. O controle, entretanto, não foi total, pois a tiririca é uma das espécies mais tolerantes às temperaturas elevadas. O conhecimento dos benefícios da solarização, porém, ainda é restrito e sua principal limitação é a escolha da época adequada do ano, pois essa é uma técnica dependente das condições climáticas. A definição da melhor estratégia para inserir o processo de solarização na seqüência de cultivos nas propriedades, em um sistema de manejo integrado, e a maior divulgação da técnica são importantes para que a solarização seja utilizada de forma eficiente pelos produtores.

A solarização é aceita pelas certificadoras?
A solarização é permitida na agricultura orgânica, de acordo com a Instrução Normativa no 7, sendo citada especificamente no 300 301 196 Anexo III, que trata da produção vegetal, indicada para o manejo de plantas invasoras. Dentre as certificadoras, o Instituto Biodinâmico (IBD), na 12a edição de suas Diretrizes para o Padrão de Qualidade, determina que serão permitidos o controle térmico de invasoras e os métodos físicos para o controle de pragas, doenças e manejo de plantas invasoras. O uso de cobertura de polietileno também é permitido desde que seja removido do solo após o uso. Nas Normas de Produção Orgânica, da Associação de Agricultura Orgânica (AAO), é permitido o uso de métodos físicos e mecânicos, incluindo o uso do calor.

A solarização pode afetar negativamente os organismos benéficos do solo?
 O aquecimento do solo produzido pela solarização provoca alterações na comunidade microbiana do solo como um todo. No entanto, os microrganismos patogênicos tendem a ser mais afetados pela solarização, pois são menos competitivos no solo que os microrganismos não patogênicos ou saprófitas. Os microrganismos saprófitas, dentre os quais estão muitos microrganismos responsáveis pelo controle biológico de doenças e pela promoção do crescimento das plantas, são adaptados para sobreviver decompondo a matéria orgânica do solo. A solarização provoca redução na população de alguns microrganismos benéficos, mas eles se recuperam rapidamente após o tratamento, recolonizando o solo. Esse aumento na população de microrganismos benéficos provoca um efeito positivo no crescimento das plantas, após a solarização, e um efeito de controle biológico sobre os patógenos do solo. Alguns grupos de bactérias chegam a aumentar sua população cerca de 20 vezes no solo solarizado. Embora a atividade microbiana total do solo sofra pequena redução, observa-se, ao mesmo tempo, um aumento na atividade supressiva do solo em relação aos patógenos, indicando o aumento na população de microrganismos relacionados ao controle biológico. A extensão e a duração dos efeitos da solarização sobre 302 197 diversos grupos de microorganismos estão sendo avaliadas em trabalhos de pesquisa, mas verifica-se que, em geral, os organismos benéficos são pouco afetados pelo processo de solarização. Deve-se considerar que a microbiota do solo responde rapidamente a qualquer interferência nesse ambiente, como o preparo do solo, a irrigação, as alterações climáticas, e a solarização do solo não escapa à regra.



  • RSS
  • Delicious
  • Digg
  • Facebook
  • Twitter
  • Linkedin
  • Youtube

Blog Archive

Blogger templates