segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

     Os alimentos orgânicos são os ideais para toda a família, por não utilizarem agrotóxicos e adubos químicos solúveis e, por serem produzidos com técnicas ambientalmente corretas. Em comparação com os alimentos obtidos na agricultura  convencional, os produtos orgânicos possuem maior teor de vitaminas, sais minerais, proteínas, aminoácidos, carboidratos e matéria seca e, ainda melhor sabor e conservação. Além do maior custo, os agroquímicos, especialmente quando aplicados incorretamente, contaminam rios, lagos e córregos, colocando em risco a saúde do agricultor, do consumidor e do meio ambiente.
     Pesquisa da Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA – em parceria com a Fundação Oswaldo Cruz – FIOCRUZ –  realizada com frutas e hortaliças nos maiores centros consumidores do Brasil desde 2001, comprova que várias espécies cultivadas estão seriamente contaminadas por resíduos de agrotóxicos e, o que é pior, por produtos não autorizados para as culturas. Relatório recente da Anvisa, em 26 estados, pesquisando 20 espécies (frutas e hortaliças) em 2009,  revela que 907 (29%) amostras de um total de 3.130 amostras coletadas, incluindo todas as espécies pesquisadas, estavam contaminadas, alcançando no pimentão, uva, pepino, morango, couve, abacaxi, mamão, alface, tomate e beterraba até 80; 56,4; 54,8; 50,8; 44,2; 44,1; 38,8; 38,4; 32,6 e 32% de amostras contaminadas, respectivamente.
     Numa floresta nativa com muitos tipos de plantas, as doenças e as pragas existem, mas não causam maiores problemas, porque estão em equilíbrio. Na agricultura orgânica o homem deve intervir o menos possível no meio ambiente para não provocar o desequilíbrio do sistema. Mesmo no cultivo orgânico podem ocorrer desequilíbrios temporários que aumentam a população de insetos-pragas ou patógenos que causam doenças à níveis incontroláveis. Estes fatores podem ser chuvas ou secas excessivas, mudas e/ou sementes de baixa qualidade,  uso de cultivares não adaptadas, solos degradados, adubações desequilibradas e outros. Neste caso, deve-se recorrer às caldas protetoras, aos preparados de plantas e outros produtos alternativos recomendados ou tolerados no cultivo orgânico, visando o manejo de doenças e pragas nas plantas cultivadas. É importante ressaltar, que práticas tais como plantio direto, cultivo mínimo, adubação orgânica e verde, uso de cultivares resistentes às pragas e doenças, cobertura morta, rotação e consorciação de culturas, são essenciais para o sucesso do cultivo orgânico, pois conduzem à estabilidade do agroecossistema, ao uso equilibrado do solo, ao fornecimento ordenado de nutrientes e à manutenção de uma fertilidade real e duradoura. Convém salientar, no entanto, que os produtos alternativos  mesmo que na grande maioria não cause riscos ao homem e ao meio ambiente, somente devem ser utilizados quando realmente necessários. A maioria das plantas utilizadas são plantas aromáticas, medicinais e algumas ornamentais. No entanto, alguns dos princípios ativos das plantas usados, podem provocar irritação e intoxicação, por isso devem ser manipulados com cuidado, utilizando-se equipamentos de proteção e  não deixando-os ao alcance de criança ou animais.
. Preparado com alho - manejo de tripes, pulgões (Figura 1), lagarta do cartucho do milho e doenças - podridão negra, ferrugem e alternária. O alho é um antibiótico natural, inibidor ou repelente de parasitas de plantas ou animais. Modo de preparar: moer 100g de alho e deixar em repouso por 24 horas em 2 colheres de óleo mineral. Dissolver, à parte, 10g de sabão em 0,5 L de água. Misturar todos os ingredientes, filtrar e, diluí-lo em 10 litros de água (Fonte: Abreu Junior, 1998);
.Preparado com cravo-de-defunto - manejo de pulgões, ácaros, lagartas e nematóide. Modo de preparar: misturar 1 kg de folhas e talos de cravo-de-defunto (Tagetes sp) com ou sem flores em 10 litros de água. Levar ao fogo, deixando ferver durante meia hora ou então deixar os talos e folhas picados em molho, por dois dias. Coar e pulverizar sem diluir. O cravo-de-defunto plantado em área infestada de nematóides é um repelente natural;
Preparado com sálvia - manejo de lagartas da couve, repolho, couve-flor e brócolis. Modo de preparar: derramar 1 litro de água fervente sobre 2 colheres de sopa de folhas secas de sálvia. Tampar o recipiente e deixar em infusão durante 10 minutos. Agitar bem, filtrar e pulverizar imediatamente sobre as plantas  para repelir a borboleta branca que coloca os ovos nas folhas das plantas cultivadas, originando as lagartas que comem as folhas (Figura 1).
Preparado com urtiga nutrição, estimulante de vigor e resistência, manejo de pulgões. Modo de preparar: deixar de molho por duas semanas 1kg de folhas verdes ou 200g de folhas secas/2 litros de água. Diluir em 20 litros de água e pulverizar nas plantas e solo no final da tarde, alternando com o preparado de cavalinha. (Deffune, 2000).
Preparado com camomila - manejo de doenças fúngicas. Modo de preparar: misturar 50g de flores de camomila em 1L de água. Deixar de molho durante 3 dias, agitando quatro vezes ao dia. Depois de coar, pulverizar a mistura sem diluir, três vezes a cada 5 dias.
Preparado com coentro - manejo de ácaros e pulgões. Modo de preparar: cozinhar folhas de coentro em 2L de água. Para pulverizar sobre as plantas, acrescentar água. (Fonte: Zamberlan & Froncheti, 1994).
Preparado com chuchu - manejo de lesmas e caracóis. Modo de preparar: colocar dentro de latas rasas, como as de azeite, pedaços de chuchu cortados ao meio e adicionar sal. Essa mistura é bastante atrativa para essas pragas e possibilita posteriormente, a eliminação e destruição destas pragas.
Preparado com buganville (primavera/maravilha)- manejo do vírus do vira-cabeça do tomateiro e pimentão. Modo de preparar: juntar 1 kg de folhas maduras e lavadas de buganville (flores rosa ou roxa) com água e bater no liquidificador. Coar e diluir o macerado em 20 L de  água. Pulverizar imediatamente o tomateiro nas horas mais frescas do dia., iniciando na fase de mudas e terminando no início da frutificação. (Souza, 2003).
Figura 1. Sálvia (planta medicinal) e alho (hortaliça-tempero), utilizadas em preparados que podem serem feitos na propriedade, são eficientes no manejo de lagartas  e pulgões, respectivamente, que atacam a couve, repolho, couve-flor e brócolis.
Ferreira On 12/13/2010 04:00:00 AM 2 comments

2 comentários:

  1. LEILANE- AGRONOMA/SE12 de agosto de 2011 06:56

    ADOREI O SITE.CONTINUEM POSTANDO ESSAS EXPERIENCIAS.
    SÃO DE MUITA IMPORTANCIA.

    ResponderExcluir
  2. vocÊs podiam colocar mais coisas sobre pragas e doenças
    okkk

    ResponderExcluir

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Manejo de pragas e doenças no cultivo orgânico: Preparados à base de plantas - Parte I

     Os alimentos orgânicos são os ideais para toda a família, por não utilizarem agrotóxicos e adubos químicos solúveis e, por serem produzidos com técnicas ambientalmente corretas. Em comparação com os alimentos obtidos na agricultura  convencional, os produtos orgânicos possuem maior teor de vitaminas, sais minerais, proteínas, aminoácidos, carboidratos e matéria seca e, ainda melhor sabor e conservação. Além do maior custo, os agroquímicos, especialmente quando aplicados incorretamente, contaminam rios, lagos e córregos, colocando em risco a saúde do agricultor, do consumidor e do meio ambiente.
     Pesquisa da Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA – em parceria com a Fundação Oswaldo Cruz – FIOCRUZ –  realizada com frutas e hortaliças nos maiores centros consumidores do Brasil desde 2001, comprova que várias espécies cultivadas estão seriamente contaminadas por resíduos de agrotóxicos e, o que é pior, por produtos não autorizados para as culturas. Relatório recente da Anvisa, em 26 estados, pesquisando 20 espécies (frutas e hortaliças) em 2009,  revela que 907 (29%) amostras de um total de 3.130 amostras coletadas, incluindo todas as espécies pesquisadas, estavam contaminadas, alcançando no pimentão, uva, pepino, morango, couve, abacaxi, mamão, alface, tomate e beterraba até 80; 56,4; 54,8; 50,8; 44,2; 44,1; 38,8; 38,4; 32,6 e 32% de amostras contaminadas, respectivamente.
     Numa floresta nativa com muitos tipos de plantas, as doenças e as pragas existem, mas não causam maiores problemas, porque estão em equilíbrio. Na agricultura orgânica o homem deve intervir o menos possível no meio ambiente para não provocar o desequilíbrio do sistema. Mesmo no cultivo orgânico podem ocorrer desequilíbrios temporários que aumentam a população de insetos-pragas ou patógenos que causam doenças à níveis incontroláveis. Estes fatores podem ser chuvas ou secas excessivas, mudas e/ou sementes de baixa qualidade,  uso de cultivares não adaptadas, solos degradados, adubações desequilibradas e outros. Neste caso, deve-se recorrer às caldas protetoras, aos preparados de plantas e outros produtos alternativos recomendados ou tolerados no cultivo orgânico, visando o manejo de doenças e pragas nas plantas cultivadas. É importante ressaltar, que práticas tais como plantio direto, cultivo mínimo, adubação orgânica e verde, uso de cultivares resistentes às pragas e doenças, cobertura morta, rotação e consorciação de culturas, são essenciais para o sucesso do cultivo orgânico, pois conduzem à estabilidade do agroecossistema, ao uso equilibrado do solo, ao fornecimento ordenado de nutrientes e à manutenção de uma fertilidade real e duradoura. Convém salientar, no entanto, que os produtos alternativos  mesmo que na grande maioria não cause riscos ao homem e ao meio ambiente, somente devem ser utilizados quando realmente necessários. A maioria das plantas utilizadas são plantas aromáticas, medicinais e algumas ornamentais. No entanto, alguns dos princípios ativos das plantas usados, podem provocar irritação e intoxicação, por isso devem ser manipulados com cuidado, utilizando-se equipamentos de proteção e  não deixando-os ao alcance de criança ou animais.
. Preparado com alho - manejo de tripes, pulgões (Figura 1), lagarta do cartucho do milho e doenças - podridão negra, ferrugem e alternária. O alho é um antibiótico natural, inibidor ou repelente de parasitas de plantas ou animais. Modo de preparar: moer 100g de alho e deixar em repouso por 24 horas em 2 colheres de óleo mineral. Dissolver, à parte, 10g de sabão em 0,5 L de água. Misturar todos os ingredientes, filtrar e, diluí-lo em 10 litros de água (Fonte: Abreu Junior, 1998);
.Preparado com cravo-de-defunto - manejo de pulgões, ácaros, lagartas e nematóide. Modo de preparar: misturar 1 kg de folhas e talos de cravo-de-defunto (Tagetes sp) com ou sem flores em 10 litros de água. Levar ao fogo, deixando ferver durante meia hora ou então deixar os talos e folhas picados em molho, por dois dias. Coar e pulverizar sem diluir. O cravo-de-defunto plantado em área infestada de nematóides é um repelente natural;
Preparado com sálvia - manejo de lagartas da couve, repolho, couve-flor e brócolis. Modo de preparar: derramar 1 litro de água fervente sobre 2 colheres de sopa de folhas secas de sálvia. Tampar o recipiente e deixar em infusão durante 10 minutos. Agitar bem, filtrar e pulverizar imediatamente sobre as plantas  para repelir a borboleta branca que coloca os ovos nas folhas das plantas cultivadas, originando as lagartas que comem as folhas (Figura 1).
Preparado com urtiga nutrição, estimulante de vigor e resistência, manejo de pulgões. Modo de preparar: deixar de molho por duas semanas 1kg de folhas verdes ou 200g de folhas secas/2 litros de água. Diluir em 20 litros de água e pulverizar nas plantas e solo no final da tarde, alternando com o preparado de cavalinha. (Deffune, 2000).
Preparado com camomila - manejo de doenças fúngicas. Modo de preparar: misturar 50g de flores de camomila em 1L de água. Deixar de molho durante 3 dias, agitando quatro vezes ao dia. Depois de coar, pulverizar a mistura sem diluir, três vezes a cada 5 dias.
Preparado com coentro - manejo de ácaros e pulgões. Modo de preparar: cozinhar folhas de coentro em 2L de água. Para pulverizar sobre as plantas, acrescentar água. (Fonte: Zamberlan & Froncheti, 1994).
Preparado com chuchu - manejo de lesmas e caracóis. Modo de preparar: colocar dentro de latas rasas, como as de azeite, pedaços de chuchu cortados ao meio e adicionar sal. Essa mistura é bastante atrativa para essas pragas e possibilita posteriormente, a eliminação e destruição destas pragas.
Preparado com buganville (primavera/maravilha)- manejo do vírus do vira-cabeça do tomateiro e pimentão. Modo de preparar: juntar 1 kg de folhas maduras e lavadas de buganville (flores rosa ou roxa) com água e bater no liquidificador. Coar e diluir o macerado em 20 L de  água. Pulverizar imediatamente o tomateiro nas horas mais frescas do dia., iniciando na fase de mudas e terminando no início da frutificação. (Souza, 2003).
Figura 1. Sálvia (planta medicinal) e alho (hortaliça-tempero), utilizadas em preparados que podem serem feitos na propriedade, são eficientes no manejo de lagartas  e pulgões, respectivamente, que atacam a couve, repolho, couve-flor e brócolis.

2 comentários:

  1. LEILANE- AGRONOMA/SE12 de agosto de 2011 06:56

    ADOREI O SITE.CONTINUEM POSTANDO ESSAS EXPERIENCIAS.
    SÃO DE MUITA IMPORTANCIA.

    ResponderExcluir
  2. vocÊs podiam colocar mais coisas sobre pragas e doenças
    okkk

    ResponderExcluir

  • RSS
  • Delicious
  • Digg
  • Facebook
  • Twitter
  • Linkedin
  • Youtube

Blog Archive

Blogger templates