quinta-feira, 21 de julho de 2011



  Além das recomendações gerais para o sucesso no cultivo de hortaliças orgânicas já abordadas em matérias recentes postadas neste blog (Parte I e II), trataremos a seguir de outras também muito importantes tais como, irrigação e inúmeras outras práticas culturais.

. Irrigação ou rega
  O cultivo de hortaliças sem complementação de água de boa qualidade, através da irrigação, é praticamente, impossível. As hortaliças, por terem ciclo curto, sofrem mais que outras espécies com pequenos períodos de estiagem. Embora ocorram precipitações pluviais mensais consideradas suficientes para desenvolvimento das hortaliças, essas são irregulares, especialmente no Sul do Brasil. Além disso, a maioria das hortaliças são exigentes, pois apresentam em sua composição mais de 85% de água.
  A qualidade da água é muito importante, pois grande parte das hortaliças são consumidas cruas. Caso não seja água potável, recomenda-se fazer a análise da mesma, mesmo sendo oriunda de uma fonte natural, pois pode estar contaminada com alto teor de coliformes fecais.
  A frequência, o tipo de irrigação e a quantidade de água a aplicar dependem basicamente da espécie cultivada, do tipo de solo, do clima, das práticas culturais e do estádio de desenvolvimento das plantas.
O sistema de irrigação mais usado numa horta doméstica, comunitária ou escolar é através da aspersão. Havendo reservatório de água, pode-se utilizar mangueiras com jatos finos ou adaptadas a microaspersores.
   O ideal é utilizar sistema de irrigação que produz gotas pequenas, formando uma espécie de neblina, evitando-se assim que, as plantinhas recém emergidas ou transplantadas sofram danos, além de evitar a formação de uma crosta endurecida no solo. Outra forma muito prática e barata de irrigar é através do sistema "santeno" (Figura 1) que consiste numa mangueira de plástico, perfurada com raios laser e resistente à exposição ao sol. A mangueira deverá ser conectada à uma mangueira comum e essa a uma torneira, produzindo uma neblina fina, resultando em irrigação ideal. Com essa mangueira, encontrada em lojas especializadas, deve-se evitar a irrigação quando houver ventos.
Figura 1. Microaspersão com a mangueira "santeno II": ideal para pequenas hortas, especialmente para hortaliças-folhosas e plantas no início de desenvolvimento
   Em geral, logo após a semeadura e o transplante são necessárias irrigações diárias tomando-se o cuidado de utilizar regadores ou mangueira com esguichos finos para não enterrar demais as sementes ou as mudas. A terra deve ser molhada até à profundidade em que se encontra a maioria das raízes. A maior parte das raízes das hortaliças em pleno desenvolvimento alcança a profundidade de 15-20 cm.
    Para hortaliças-folhosas é aconselhável irrigar diariamente, caso não chova, durante todo o ciclo das plantas para se obter folhas tenras.
   Para hortaliças-frutos, à medida que as plantas forem crescendo, a irrigação pode ser espaçada de três em três dias até o final da colheita, caso não chova o suficiente; o mesmo intervalo de irrigação pode ser utilizado para as hortaliças-raízes, dispensando-a quando já estiverem em condições de serem colhidas.
   Sempre que possível, para as espécies pertencentes à família das solanáceas, que têm maiores problemas de doenças, deve-se evitar que a folhagem das plantas passem a noite molhada, preferindo-se a irrigação pela manhã, quando o sistema for por aspersão. A irrigação por sulcos (Figura 2) e por gotejamento são ideais para essas espécies.
Figura 2. Irrigação por sulcos: método adequado para o tomateiro
   Uma indicação prática, aproximada, da necessidade de irrigação pode ser obtida quando um punhado de terra apertado na palma da mão formar um conjunto coeso e úmido ("bolo"), o que significa que ela apresenta boas condições de umidade. É importante após a irrigação, esperar um pouco para que a água se infiltre, observando-se, depois, a profundidade atingida pela mesma.
. Desbaste ou raleamento
   Consiste na eliminação do excesso de plantas semeadas diretamente no canteiro, nas covas e nos recipientes. Na semeadura direta em canteiro, recomenda-se o desbaste quando as plantinhas estiverem com 5 a 8cm de altura, deixando-se as mais vigorosas, no espaçamento adequado. Para algumas espécies, como a beterraba, pode-se aproveitar as melhores mudas descartadas durante o desbaste para transplantar em outro canteiro.
. Capinas e escarificações
  As plantas espontâneas competem com as espécies cultivadas por luz, água e nutrientes, especialmente nos primeiros 30 dias. Por isso, é muito importante a retirada das mesmas ainda pequenas com a enxada, sacho ou, manualmente. Após o período crítico, as plantas espontâneas nas entrelinhas são consideradas "plantas amigas" pois ajudam a manter a umidade no solo e evitam a erosão do solo.
  Cobertura do canteiro com papel (Figura 3): para retardar a emergência das plantas espontâneas, logo após a semeadura das hortaliças, recomenda-se após o preparo do canteiro, a cobertura com folhas de papel jornal (sem impressão colorida) ou papel pardo e sobre esse 2 cm de composto orgânico peneirado. Posteriormente, procede-se abertura do sulco, a semeadura e a cobertura das sementes.
Figura 3. Uso de jornal no manejo de plantas espontâneas (à esquerda, cenoura cultivada com jornal ; à direita, sem jornal )
   Mesmo que não haja plantas espontâneas, recomenda-se o uso de enxada ou sacho nas linhas de cultivo para escarificar (revolvimento superficial do solo), com objetivo de evitar a formação de crosta na superfície, especialmente após chuvas torrenciais. A camada de solo superficial endurecida, além de impedir a penetração da água da chuva ou da irrigação, favorece a erosão do solo. A escarificação deve ser feita quando as plantas estiverem no início do desenvolvimento vegetativo e com o solo úmido para não danificar as raízes. Quando as plantas espontâneas das entrelinhas estiverem competindo por luz com as plantas cultivadas, recomenda-se roçar com foice ou roçadeira manual, ou simplesmente tombá-las.
  A cobertura morta, prática de colocar capim ou palha seca nas entrelinhas, reduz a freqüência de capinas, escarificações e irrigação.
. Adubação de cobertura
  Em solos com baixa teor de matéria orgânica (menos de 2%) é muito importante essa prática, especialmente nas hortaliças folhosas. No entanto, deve-se evitar o uso exagerado de adubos nitrogenados tais como estercos de animais não curtidos, pois podem salinizar o solo e prejudicar a qualidade das hortaliças. Quando aplicados em excesso, podem causar a metahemoglobinemia em crianças, moléstia resultante da ingestão de nitritos (produzidos a partir de nitratos) que reagem com a hemoglobina, reduzindo a sua capacidade de carregar oxigênio. Além disso, os nitritos participam de reações formadoras de compostos cancerígenos.
   Recomenda-se como fonte de macronutrientes e micronutrientes o composto orgânico (ver como preparar o composto orgânico em matéria antiga postada neste blog), esterco de animais curtido, biofertilizantes caseiros, chorumes de estercos e de composto orgânico e outros produtos facilmente elaborados na propriedade.
Esterco de animais curtido
   O esterco proveniente de gado sobre pastagem onde se aplicou herbicidas não pode ser utilizado na produção de hortaliças. O esterco de aves, especialmente quando utilizado em excesso, têm efeito negativo sobre as características físicas do solo (desagrega e compacta). Por ter muito ácido úrico, têm um efeito semelhante a uréia, reduzindo a resistência das plantas e até queimando as mesmas (caso não esteja curtido), além de acidificar o solo. Deve ser utilizado em pequenas quantidades por aplicação e bem incorporado ao solo(no máximo 0,5 kg/m2 ).
Biofertilizantes/chorumes
   Como o nome já diz, é um fertilizante vivo, cheio de microorganismos, responsáveis pela decomposição da matéria orgânica, pela produção de gás e pela liberação de antibióticos e hormônios. Pode-se fazer biofertilizantes somente com esterco e água (chorume) ou ainda com qualquer tipo de material verde fermentado na água. Pode-se enriquecê-lo com alguns minerais (fosfato natural), com calcário e/ou cinzas, leite, caldo de cana ou melado. Os biofertilizantes são líquidos e podem ser usados no solo, com auxílio de regadores, ou em tratamentos foliares, utilizando-se o pulverizador, com objetivo de complementar a nutrição das plantas.
   O biofertilizante, além de alimentar, protege a planta agindo como defensivo. Esta "defesa" pode ser ocasionada por diversos fatores: a) Se a planta é bem nutrida, tem mais resistência e mais condições de se defender de algum ataque de insetos, fungos, bactérias, etc. b) Como o biofertilizante é um produto vivo, os microorganismos podem reduzirem a atuação do que está atacando a planta e repelir e/ou destruir ou paralisar a ação desses elementos.
   A seguir serão descritos o modo de elaborar alguns dos biofertilizantes mais simples, bem como a dosagem de uso dos mesmos. São os mais fáceis de elaborar, de baixo custo, que fornecem nitrogênio. São utilizados especialmente para fertilizar mudas em bandejas ou plantas recém transplantadas ou plântulas em estádios iniciais de crescimento, cujas raízes ainda não possuem bom desenvolvimento.
Chorume de composto orgânico
   Modo de preparar: deve-se deixá-lo secar à sombra e peneirá-lo. Deve ser colocado em saco permeável amarrando a boca do mesmo, para evitar entupimento do regador ou do pulverizador. O composto orgânico (33 l) deve ser colocado em um tonel de 200 l completando com 67 l de água. Sacudir bem o saco e deixar descansar por 10 minutos. Pode ser utilizado puro sobre as plantas ou no solo com regador ou pulverizador (Fonte: Souza, 2003).
Chorume de esterco fresco de animais
Modo de preparar: deve-se colocar no tonel de 200 l, um saco de esterco de aves ou de gado na proporção de 1:2 e 1:1, respectivamente, amarrando-se a boca e completando com água, deixando de molho por quatro a sete dias. É um adubo líquido fermentado. Para aplicação, deve-se diluí-lo em água utilizando-se um (esterco de aves) ou dois litros (esterco de gado) de chorume por regador, completando-se com água para regar o solo.
 Biofertilizante 1
   Modo de preparar: 1/3 de esterco fresco de gado para 2/3 de água, 5 kg de cinzas e 5 kg de fosfato natural para 200 l. Para melhorar a fermentação pode ser adicionado garapa, leite, melaço ou açúcar mascavo na quantidade de 1 a 5 kg ou litros. Deixar curtir uma semana e diluir na proporção de 1 litro de chorume para 10 l de água na hora de aplicar, o que deve ser feito na terra e não nas folhas, com mangueira ou regador, uma vez por mês e de preferência no final da tarde.
Biofertilizante 2 (uréia natural)
   Modo de preparar: colocar 40 kg de esterco de bovino fresco, 3 a 4 litros de leite fresco ou colostro,10 a 15 litros de caldo de cana ou 4 a 5 litros de melado, 200 litros de água e 4 kg de fosfato natural numa caixa de água, misturando-os bem. Deixar fermentar durante 15 dias, mexendo uma vez ao dia. Depois de pronto, diluir 1 litro do biofertilizante em 3 litros de água para regar a planta e o solo.
Obs.: essa receita após misturada em água, proporciona 800 litros de adubo líquido.
Água de cinza e cal (fertiprotetor de plantas): é um produto ecológico obtido pela mistura de água, cinza e cal (para preparar, ver matéria postada neste blog em 22/12/2010). Essa mistura contém expressivos teores de macro (Ca, Mg e K) e micronutrientes, atuando como adubo foliar em cobertura e estimulando a resistência das plantas às doenças fúngicas e bacterianas. (Fonte: Claro, 2001).
Manipueira: é um líquido de aspecto leitoso e de cor amarelo-claro que escorre de raízes carnosas da mandioca, por ocasião da prensagem das mesmas, para obtenção da fécula ou da farinha. É, portanto, um subproduto da mandioca que fisicamente se apresenta na forma de suspensão aquosa e, quimicamente, como uma miscelânea de compostos que podem servir como adubo antes da semeadura/plantio e em pulverizações foliares. Além de ser utilizada como inseticida, acaricida, nematicida, fungicida e bactericida, a manipueira contém todos os macro e micronutrientes, com exceção do molibdênio, necessários à nutrição das plantas.
   Na fertilização do solo, utilizar manipueira (1:1), aplicando na linha de cultivo, com auxílio de regador, 2 a 4 litros da diluição por metro de sulco. A aplicação deve ser antes da semeadura/plantio, devendo o solo ficar em repouso por oito ou mais dias e, posteriormente revolver levemente o solo que compõe e margeia a linha de cultivo, antes de proceder a semeadura/plantio. Na fertilização foliar, as diluições mais apropriadas são 1:6 e 1:8.
.Tutoramento ou estaqueamento é feito com bambu para algumas hortaliças como ervilha torta, tomate, feijão-de-vagem, pepino, maxixe, pimentão e chuchu, para evitar o crescimento em contato com a terra, facilitar a aeração e a insolação e evitar a quebra de ramos. No tutoramento tradicional do tomateiro é muito utilizado o sistema cruzado ou em "V" invertido que tem como desvantagem a formação de um túnel úmido que favorece a ocorrência de doenças foliares e de pragas e dificulta os tratamentos fitossanitários. Em função disso, o tutoramento vertical em que as plantas são conduzidas perpendicularmente ao solo, é o mais recomendado para o tomateiro (Figura 4), pois além de melhorar a distribuição solar e a aeração, aumenta a eficiência dos tratamentos fitossanitários através da pulverização dos dois lados das plantas.
Figura 4. Tutoramento vertical: sistema de condução de plantas mais indicado para o tomateiro
Figura 5. Tutoramento em ziguezague: sistema alternativo para o tomateiro que melhora a ventilação das plantas, facilita os tratos culturais e reduz a ocorrência de doenças
 Figura 6. Tutoramento na cultura do chuchu (sistema latada)
. Amarrio consiste em amarrar as plantas nas estacas, sem estrangular, para seu melhor apoio, prática indispensável para a cultura do tomate.
. Desbrota é a eliminação dos brotos que saem das axilas das folhas ou da haste de algumas espécies como o tomate.
Figura 7. Desbrota em tomateiro
. Amontoa (Figura 8) consiste em chegar terra junto às plantas, para melhorar sua fixação ao solo e, no caso da batata, serve ainda para evitar que os tubérculos se desenvolvam fora da terra, favorecendo o seu esverdeamento (Figura 9). Uma boa amontoa (cerca de 20cm de altura) reduz os danos de insetos que perfuram e depreciam os tubérculos.
Figura 8. Amontoa na cultura da batatinha
Figura 9. Batatas esverdeadas: resultado da amontoa inadequada
 
Ferreira On 7/21/2011 04:57:00 AM Comentarios

0 comentários:

Postar um comentário

  • RSS
  • Delicious
  • Digg
  • Facebook
  • Twitter
  • Linkedin
  • Youtube

Blogger templates